quinta-feira, 31 de Outubro de 2013 09:19h

Minas Leite com reforço de parcerias deve alcançar 1,3 mil propriedades em 2013

Crescimento será de 12,4% em relação aos dados do primeiro semestre

O Programa Minas Leite, criado pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e executado pela vinculada Emater-MG, deve alcançar em 2013 o atendimento a 1.300 estabelecimentos de agricultura familiar do Estado. “Esse número ultrapassa em 12,4% o registrado no primeiro semestre, pois havia 1.157 propriedades cadastradas”, informa o coordenador do programa pela Secretaria, Rodrigo Puccini Venturin.
Os resultados foram favorecidos pela ampliação das parcerias com empresas e instituições privadas para o fortalecimento das ações de apoio à produção de leite nas pequenas propriedades. Segundo Venturin, as parcerias são feitas com prefeituras, cooperativas, sindicatos, associações de produtores rurais e laticínios. “Todos os municípios com instituições parceiras do Minas Leite devem ter escritório local da Emater, que coordena as ações do programa,” explica.
Ele ainda diz que os parceiros do Minas Leite incluem técnicos de seus quadros nos trabalhos para o desenvolvimento das propriedades. Além disso, contribuem para a promoção dos encontros dos produtores e outras iniciativas com o objetivo de fortalecer a atividade leiteira e a difusão do programa. 
Reforço do atendimento
Uma das novas parcerias é formada pela Associação dos Produtores de Leite do Norte de Minas (Assproleite) e a Prefeitura de Icaraí de Minas, sediada na mesma região. Venturin diz que vinte propriedades leiteiras da região recebem assistência do programa por meio de técnico contratado pelos parceiros. A meta é incluir mais 40 fazendas em 2014.
Ainda na região Norte, uma parceria do Minas Leite com a Prefeitura de Bocaiúva, iniciada neste semestre, possibilita assistência a quatro propriedades, com a perspectiva de alcançar mais seis no próximo ano.
Venturin acrescenta que em Itapagipe, município do Triângulo Mineiro, o Minas Leite fechou convênio com o laticínio Bonalat, do Grupo Asperbras, que atua no ramo de tubos e conexões para irrigação. A proposta dessa parceria é o atendimento a nove propriedades leiteiras, com a perspectiva de alcançar o total de 40 fazendas em 2014. Um diferencial desse acordo será a disponibilização, pelo parceiro, de uma linha de financiamento que possibilitará a aquisição de dez novilhas para as propriedades assistidas. O coordenador observa que se trata de um importante suporte à boa gestão das fazendas leiteiras.
Os técnicos das instituições privadas incluídos no programa (assim como já ocorre com os extensionistas da Emater) recebem treinamento nas Fazendas Experimentais da Epamig, também vinculada à Seapa. Há 80 unidades demonstrativas por conta das parcerias do Minas Leite.
Modelo bem-sucedido
A adoção das parcerias para o fortalecimento do Minas Leite começou há três anos. Um dos convênios foi formalizado com o Laticínio Porto Alegre, no município de Mutum, região Leste do Estado. Neste caso, a parceria dá cobertura a oito unidades demonstrativas para realização de dias de campo e outras atividades coordenadas pela Emater-MG.
Nos dias de campo realizados na área de abrangência de Mutum, o Laticínio Porto Alegre atua principalmente no suporte à parte de sanidade dos animais, garantindo a presença de um veterinário, além de ajudar na alimentação dos participantes.
Os encontros são muito concorridos, diz Sávio Renato Fadel, coordenador de captação de leite do laticínio. Ele explica que o dia de campo realizado em outubro contou com a participação de 40 produtores, que tiveram a oportunidade de trocar informações sobre os resultados da adoção de boas práticas nas propriedades. Houve também avaliação dos resultados obtidos com a introdução de práticas gerenciais pelo Minas Leite. “O saldo é positivo e os produtores que já aderiram ao programa ajudam na sua difusão, porque estão satisfeitos”, ressalta Fadel.         
Ênfase em boas práticas   
Os produtores cujas propriedades recebem assistência do Minas Leite são orientados para utilizar tecnologias simples e de baixo custo, voltadas para a melhoria da produtividade. As boas práticas contribuem para o aumento da qualidade do produto de maneira sustentável e, como consequência, podem gerar elevação da receita.
Desde a criação do Minas Leite, em 2006, o acompanhamento permanente das atividades das fazendas de produtores familiares, pelos técnicos da Emater- MG, gerou entre outros benefícios a melhoria dos índices de eficiência da mão-de-obra. O programa busca identificar as características das regiões leiteiras do Estado para possibilitar a agregação de conhecimentos que devem melhorar a produção e tornar o produto mais competitivo.
Os produtores interessados em aderir ao Minas Leite devem se dirigir a uma unidade da Emater e comprovar a sua condição de agricultores familiares.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.