quinta-feira, 5 de Maio de 2011 17:38h Atualizado em 5 de Maio de 2011 às 17:40h. Assessoria Comunicaç?o AMM

Minas sem Lixões beneficia cerca de 8 milhões de pessoas

Cerca de oito milhões de habitantes em Minas Gerais são beneficiados com aterros sanitários e usinas de triagem e compostagem de lixo devidamente regularizadas. O Programa Minas sem Lixões, lançado pelo Governo de Minas e coordenado pela Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam), representa uma das ações do Projeto Estruturador Resíduos Sólidos. Nos últimos três anos, as ações implementadas pelo governo têm alcançado uma média de redução de 85 lixões por ano. A população urbana com acesso a sistemas de disposição final de resíduos sólidos saltou de 19,8%, em 2003, para 52,63% em 2010.

 

Os dados fazem parte de levantamento realizado pela Feam por meio da Gerência de Resíduos Sólidos Urbanos. De acordo com o estudo, estima-se que em 2001 o número de lixões no Estado era de 823. Isso significava que 96% dos municípios não dispunham adequadamente seus resíduos sólidos, ou seja, esses municípios não dispunham de regularização ambiental para disposição adequada. Em 2010, o percentual de municípios que dispõem seus resíduos sólidos urbanos em lixões baixou para 37%.

 

“Esses avanços representam um ganho ambiental muito grande para o Estado. Acreditamos também que esses municípios que tiveram seu problema de disposição de resíduos sólidos urbanos resolvido, melhoraram significativamente o índice de qualidade da saúde de sua população”, ressalta o gerente de Resíduos Sólidos Urbanos da Feam, Francisco Pinto da Fonseca.

 

O gerente destaca também municípios mineiros que possuem as duas formas de disposição adequadas de resíduos simultaneamente: o Aterro Sanitário e a Usina de Triagem e compostagem. “Esse quadro seria o ideal. Esses municípios dispõem no aterro somente o rejeito, aquilo que não pode mais voltar para a cadeia produtiva”, diz.

 

Minas Gerais tem atualmente 312 lixões, 291 aterros controlados, 68 municípios atendidos com aterros sanitários e 127 usinas de triagem e compostagem. Em 2009 eram 385 lixões, 227 aterros controlados, 57 municípios atendidos com aterros sanitários e 109 usinas de triagem e compostagem. “A erradicação de lixões é avaliada ano a ano e nos últimos três anos temos tido uma média de redução de 85 lixões por ano. Esses dados significam também que 63,4% dos municípios mineiros não dispõem mais em vazadouros”, frisa Fonseca.

 

O Programa Minas sem Lixões tem como objetivo promover e fomentar a não geração, o reaproveitamento, a reciclagem e a disposição adequada de resíduos sólidos em Minas Gerais. Para isso, a Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam) atua principalmente com a publicação de Deliberações Normativas, fiscalizações e orientação para o licenciamento, formalização de apoio técnico realizado por meio de parceria com a Fundação Israel Pinheiro (FIP) e convênio com as Universidades Federais de Lavras (UFLA), de Viçosa (UFV) e na busca de recursos junto aos órgãos financiadores.

 

Para a erradicação dos lixões em Minas Gerais a Gerência de Resíduos Sólidos já publicou manuais de orientação e realiza periodicamente seminários e atendimentos a prefeitos e equipes técnicas municipais. “É importante frisar que no Estado de Minas Gerais os municípios acima de 20 mil habitantes devem obrigatoriamente estar regularizados perante o órgão ambiental”, reforça Fonseca.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.