sábado, 1 de Setembro de 2012 08:55h Gazeta do Oeste

Minas terá mais transparência nas despesas hospitalares

Prestar contas de tudo que ocorreu com o paciente durante sua internação. Esse é o objetivo da Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), que começa segunda-feira, a pôr em prática uma ideia pioneira nos hospitais públicos do país: quando tiver alta, o paciente vai receber um documento com todos os custos do atendimento recebido, desde o que foi gasto diretamente com seu caso até as despesas gerais para manutenção do hospital. Com a iniciativa, a Fhemig espera também dar mais transparência aos atendimentos, com uma ferramenta para o paciente fiscalizar a própria passagem pelos hospitais do estado.

 

 

O programa será testado inicialmente no Hospital Infantil João Paulo II, que tem cerca de 3,5 mil internações por ano e é referência em pediatria. Segundo a diretora da unidade, Helena Francisca Valadares, o fato do hospital estar mais bem organizado do ponto de vista da gestão pesou para a instituição dar início ao programa. “Nesse momento, é mais fácil para nós captarmos os dados referentes aos custos com mais facilidade. Temos um software que vai gerar todos os dados necessários para fornecer a informação aos pacientes”, diz ela.

 

O diretor da Fhemig, Antônio Carlos de Barros Martins, acredita que a novidade vai servir para dar mais credibilidade ao Sistema Único de Saúde (SUS), pois a transparência é importante tanto para os hospitais quanto para os pacientes. “A pessoa vai poder acompanhar quanto custou o tratamento a que foi submetida e ter uma noção do valor da saúde pública. Além disso, hospitais também podem usar essas informações para entender a dinâmica das despesas e dimensionar melhor os custos”, ressalta o diretor. Segundo ele, ainda este ano a conta resumo será fornecida também aos pacientes da unidade de queimados do HPS João XXIII e até o fim de 2013 a iniciativa estará presente em todas as 22 unidades hospitalares do estado.

 

 

A conta trará os dados do atendimento, informações referentes a exames, medicamentos e os demais custos. Tudo será extraído do Sistema Integrado de Gestão Hospitalar (Sigh). Presente na solenidade de lançamento da ideia, o secretário de Saúde do estado, Antônio Jorge de Souza Marques, acredita que com o documento em mãos o paciente poderá conferir tudo que ocorreu durante a estadia no hospital. “É uma possibilidade de evitar fraudes. Se não estiver de acordo, pode entrar em contato com a ouvidoria ou com a própria unidade onde esteve internado. Os contatos estarão na prestação de contas”, afirma o secretário. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EM

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.