quinta-feira, 16 de Junho de 2016 16:30h Agência Minas

Mostra de obras de Tarantino serão exibidas gratuitamente no Palácio das Artes

Até 30 de junho serão exibidos 17 filmes, além da distribuição de catálogo com textos analíticos e cursos de análise de obras

A filmografia completa de um dos diretores norte-americanos mais reconhecidos da atualidade será exibida gratuitamente no Cine Humberto Mauro, entre os dias 16 e 30 de junho. A mostra Quentin Tarantino – O maestro do caos, traz para o público todas as produções dirigidas pelo cineasta, além de filmes roteirizados e que contaram com atuações dele.

Na programação, 17 filmes lançados entre 1987 e 2015, que trazem uma mistura dos mais diversos gêneros do cinema, inseridos no contexto caótico característico do diretor. Veja aqui a programação completa e a sinopse dos filmes.

 

 

 

 

 

Sessão especial

Na noite de 30 de junho, último dia da mostra, o público poderá acompanhar sessão especial. A Fundação Clóvis Salgado (FCS) lançará na data um catálogo com textos analíticos sobre a obra de Quentin Tarantino, com distribuição gratuita.

Antes das sessões, a partir das 18h, o público confere som eletrônico com músicas que integram trilhas sonoras de filmes do Tarantino.  E, a partir das 19h15, começam as exibições simultâneas sala Humberto Mauro (distribuição de ingressos meia hora antes de cada sessão) e nos jardins do Palácio das Artes (entrada livre).

Confira a programação:

19h15 - Kill Bill: Volume 1

21h15 - Kill Bill: Volume 2

23h45 - Pulp Fiction - Tempo de Violência

Curso de análise de obras

Também faz parte da mostra, o curso Quentin Tarantino - O maestro do caos, entre os dias 22 e 24 de junho. Ministrado pelo professor e crítico cinematográfico, Fábio Feldman, o curso analisa as oito obras do autor, expondo e interpretando suas principais influências, seu percurso cinematográfico e os temas mais recorrentes em seus filmes. As inscrições  já se esgotaram. 

 

 

 

Um pouco mais de Tarantino

Quentin Jerome Tarantino nasceu no Tennessee, em março de 1963. Filho do ator e músico Tony Tarantino, descendente de Italianos e Connie McHugh, filha de Irlandeses, teve forte influência artística e afetiva do padrasto, o músico Curt Zastoupil.

Aos 16 anos começou a estudar atuação. Aos 21 anos, começou a trabalhar como balconista na Video Archives, uma famosa locadora de fimes de Manhattan Beach, onde conheceu personalidades do cinema. Um ano depois, nascia seu primeiro roteiro, Captain Peachfuzz and the Anchovy Bandit e passou a viver de escrever filmes.  Nos anos 90 passa a dirigir e atuar em algumas produções, alcançando fama internacional no final da década.

 A marca do diretor é criação de roteiros não lineares, uso da violência como expressão e direção radical causando uma revolução nos filmes independentes americanos. A inventividade de seu cinema é resultado de compulsão dele por filmes de gêneros diversos, da apropriação inteligente da cultura pop e da releitura constantes de grandes obras da história do cinema.

Tarantino é reconhecido ainda por resgatar em suas obras, de maneira inovadora, as temáticas do racismo e do universo feminino. Em seus últimos filmes, já bem próximo da grande indústria cinematográfica, o diretor tem se voltado para certo revisionismo histórico, com obras como Bastardos Inglórios e DjangoLivre.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.