quinta-feira, 27 de Dezembro de 2012 09:21h

Municípios mineiros participam de projeto para descarte de remédios

Depois que Justiça derrubou restrição da Anvisa, analgésicos voltam para gôndolas

Um projeto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pretende cadastrar farmácias e incentivar as pessoas a descartarem os medicamentos de forma correta. Na Região da Zona da Mata, em Minas Gerais, as cidades de Juiz de Fora e Barbacena participam do programa.
Uma cartilha da Anvisa alerta para não se armazenar sobras de medicamentos em casa. Existem exceções como para os de uso contínuo e aqueles isentos de prescrição médica para alguma emergência, mas a validade deve ser checada constantemente.
Em relação ao descarte há estudos para a melhor forma de fazê-la e está sendo estudado um projeto em que as farmácias sejam as responsáveis pelo recolhimento dos medicamentos.
Além de Barbacena e Juiz de Fora, Belo Horizonte, Uberaba, Uberlândia, Lavras e Montes Claros participam do projeto.

 

ANALGÉSICOS VOLTAM PARA GÔNDOLAS


Outra mudança prevista pela Anvisa foi a permissão recente para ficarem nas prateleiras, propagandas liberadas e muitas promoções, basta colocar os analgésicos na cesta de compras e começar a tomá-los. Eles não precisam de prescrição médica para venda e, desde 2009, estavam atrás do balcão por resolução da Agência exatamente para restringir o consumo. Mas, em julho, o país viveu o que especialistas consideram um retrocesso. Uma decisão do Tribunal Regional Federal no Distrito Federal, após ação judicial movida por entidades que representam as farmácias e drogarias, derrubou a resolução e eles voltaram para as gôndolas.
Em três unidades de uma grande rede de farmácia de Belo Horizonte dá para ver como é a oferta. Analgésicos como Dorflex, Novalgina, Tylenol, Neosaldina, entre vários outros, continuam atrás do balcão, segundo os atendentes, por decisão da empresa de aguardar o recurso da Anvisa, mas as gôndolas estão cheias de promoções. Os atendentes mesmos ajudam a escolher a caixa maior pelo menor preço. As unidades estão em cestas, em destaque entre corredores e até nas prateleiras perto do caixa.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.