terça-feira, 11 de Fevereiro de 2014 05:34h

Norte de Minas possui mais de 20 mil gestantes cadastradas no Mães de Minas

O objetivo do programa é mobilizar e despertar a sociedade para a importância do acompanhamento adequado durante a gravidez

Grávida do segundo filho, Mayra Gonçalves Siqueira, 24 anos, está recebendo o apoio do programa Mães de Minas. A gestante de Montes Claros conheceu a iniciativa por meio das propagandas na televisão e resolveu ligar para o 155. “Quando me cadastrei, eu estava no quarto mês de gravidez, a partir daí tive todo o acompanhamento necessário e todas as dúvidas esclarecidas até agora” conta Mayra, que está no último mês de gestação.

Lançado em 2011, o Mães de Minas integra o Programa de Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais (Rede Viva a Vida), da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), e tem como objetivo identificar e acolher todas as gestantes do Estado. Ao todo, já foram investidos R$ 19 milhões no pagamento de incentivos às Equipes de Saúde da Família (ESF) em todos os municípios mineiros, para identificação e captação precoce das gestantes pela Atenção Primária à Saúde e cadastramento na Central Telefônica.  Desde o início das ações, o programa soma, na região do Norte de Minas, um total de 20.488 mães cadastradas. Em todo o Estado são mais de 145 mil.

Uma vez que realizam o cadastro, durante toda a gravidez as gestantes recebem ligações para marcar consultas e exames, além de terem acesso a diversas informações para conduzir a gravidez com tranquilidade. O atendimento na central telefônica é feito pelas chamadas “madrinhas”, mulheres que já são mães ou avós, justamente para tornar o serviço ainda mais humanizado e fazer a gestante se sentir realmente acolhida. Além das “madrinhas”, médicos e enfermeiros também prestam assistência às grávidas em plantão diário de 24 horas.

Segundo a referência técnica da Rede Viva Vida, Naiara Abreu de Oliveira Silva, “por meio do serviço de Call Center é possível identificar, por exemplo, aquelas que não estão realizando o pré-natal adequadamente, o que facilita e colabora com a redução da mortalidade materna e infantil no Estado. E a mãe continua sendo acompanhada até o bebê completar um ano”.

Para Mayra, o serviço humanizado oferecido pelo programa é o principal apoio que recebe durante a gestação. “Este é meu segundo filho e comparando com a minha primeira gravidez, que eu não tive o acompanhamento do programa, essa gestação foi mais tranquila. Eu me sinto mais segura graças ao Mães de Minas, tudo ficou mais fácil, recebi telefonemas que orientaram sobre o pré-natal, vacinas e ainda pude ligar para  esclarecer minhas dúvidas,” conclui.

Caravana Mães de Minas

Com o objetivo de mobilizar e despertar a sociedade e instituições privadas para a importância do acompanhamento adequado das gestantes mineiras, o Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, também criou a Caravana Mães de Minas. Com a iniciativa, 17 municípios mineiros já receberam oficinas de orientação para gestantes sobre aleitamento materno, cuidados com o bebê, avaliação antropométrica, nutricional, peso, altura, pressão, além de diversos outros serviços. Um caminhão especialmente equipado para atender gestantes e crianças visita as cidades que recebem a caravana oferecendo acolhimento e serviços de saúde e lazer. A iniciativa é mais uma importante ferramenta para a redução da mortalidade materna e infantil no Estado.

Identificação da Gravidez

De acordo com a referência técnica Naiara Abreu, atualmente vem sendo implantado o Sistema de Identificação da Gravidez, que utiliza como fonte de identificação de gestantes os serviços que prestam assistência à mulher, as Unidades Básicas de Saúde (UBS), os centros de referência ou as unidades de urgência, tanto da rede privada, quanto da particular. “O programa tem como objetivo a redução da mortalidade infantil em Minas e a garantia de um nascimento digno e saudável. Por isso, as ações do programa visam constituir um Sistema de Identificação para um rápido e completo conhecimento e acolhimento de todas as gestantes mineiras”, comenta.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.