sexta-feira, 17 de Fevereiro de 2012 10:09h Atualizado em 17 de Fevereiro de 2012 às 11:09h. Carla Mariela

“Nós temos que pressionar para que Divinópolis possa receber investimentos de qualidade [...]”,diz Jaime Martins

Deputado avalia que é preciso pressionar o governo para concretizar instalação de novos empreendimentos na cidade

O governo de Minas, com assistência do Instituto de Desenvolvimento Integrado (INDI), assinou 160 protocolos de intenções em 2011 com o intuito de liberar 49,3 mil empregos diretos e 91,5 indiretos em todas as regiões de Minas Gerais. Mas, embora existam esses dados que apoiam a geração de empregos emitidos pelo governo, o que se observa é o fato de não ser exatamente isso que ocorre na cidade.
Pesquisas do site da secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de Minas apontam que representantes das novas empresas assinaram o protocolo de instalação, porém, não obtiveram a contemplação de apresentar as novas empresas para os cidadãos de Divinópolis e, conseqüentemente, para o público alvo.
As empresas Atomic e Quad Core, são exemplos de indústrias que assinaram os protocolos para serem inseridas no mercado e não tiveram sucesso na concretização.
Em uma entrevista concedida para a Gazeta quando foi questionado sobre as especulações da chegada de novas empresas em Divinópolis, como por exemplo, a empresa de autopeças, Proema, que assinou o protocolo desde 2009. O prefeito Vladimir Azevedo (PSDB), justificou o atraso. “O motivo da empresa não ter se instalado é devido os momentos delicados entre os sócios na gestão”, disse.
De acordo com o Deputado Federal, Jaime Martins, todo o processo de implantação de empresa depende do protocolo de intenção. “O fato de Divinópolis ter alguns protocolos de intenção é positivo porque todo o processo de implantação de empresa depende desse processo de intenção. O plenário estuda a localidade que irá implantá-las e nós temos que pressionar para que Divinópolis possa está excedendo investimento de qualidade”, afirma o deputado.
Ao ser questionado sobre o motivo que fez com que novos empreendimentos não se concretizassem, Jaime Martins, relatou que é preciso que haja pressão para que as melhorias aconteçam. “Nós temos que pressionar para que Divinópolis possa receber investimentos de qualidade. Não queremos volumes de empregos que possam trazer o crescimento desordenado na região. Nós queremos empresas que possam trazer bons salários” acrescenta Jaime Martins.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.