quarta-feira, 3 de Agosto de 2011 12:00h Atualizado em 3 de Agosto de 2011 às 12:27h. Carina Leles

‘Nova Serrana Feira e Moda’

Teve início ontem a 9ª Edição da Nova Serrana Feira e Moda (NSFM). São 153 estandes com 250 marcas expostas com a coleção Primavera / Verão. A expectativa é que a Feira renda aos fabricantes cerca de R$ 35 milhões em vendas. Outro ponto reinante durante a abertura do evento foi com relação ao anúncio, de um pacote de incentivos para a indústria, feito pela presidente Dilma Rousseff (PT).


A abertura da Nova Serrana Feira e Moda, realizada na manhã de ontem no Centro de Convenções e Eventos contou com a presença de políticos locais e regionais, presidente de entidades, além dos empresários do setor calçadista local, representantes comerciais e lojistas de todo o Brasil que estavam em busca das novidades, preço e qualidade nos calçados fabricados na cidade.


Segundo o presidente do Sindicato Intermunicipal da Indústria do Calçado de Nova Serrana (Sindinova) Ramon Alves Amaral, a expectativa é boa com relação à Feira, já que a divulgação foi ampla onde os próprios empresários enviaram convites aos clientes. “Foram mais de 12 mil convites entregues. Nas últimas semanas as vendas cresceram muito no setor e está na hora certa para que os lojistas comprem para o fim de ano.

Esperamos que cerca de R$35 milhões devem ser negociados nos três dias da feira. Os empresários capricharam nos modelos.”, ressaltou.


O mercado em Nova Serrana, que é conhecida como a “Capital do Calçado Esportivo,” tem ganhado novos segmentos. Os produtos voltados para o público feminino e infantil vem crescendo nos últimos anos. “Hoje cerca de 30% do mercado em Nova Serrana é voltado para o calçado feminino e infantil, antes o calçado esportivo representava 90% da produção e hoje é responsável por 50%”, frisou Amaral.


Seja esportivo, feminino, masculino ou infantil, os representantes e lojistas estão de olho na tendência Primavera / Verão. A lojista Ana Kellen Silveira veio do sul da Bahia para conferir a feira e garante que a moda mineira faz muito sucesso na terra do axé. “Cerca de 70% das mercadorias que tem na minha loja são de Minas Gerais e os calçados de Nova Serrana fazem parte desta lista. É a terceira vez que venho a Feira e cada vez me surpreendo com as coleções. Espero realizar bons negócios”, afirma.
 

O presidente da Regional Centro-Oeste da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Afonso Gonzaga destaca a importância da Feira no cenário mineiro. “Para nós é sensacional estar em uma Feira onde mostramos a tecnologia, inovação e, também, a pujança do empresariado em Nova Serrana. É um exemplo a ser seguido e a Federação das Indústrias tem dado todo apoio” destacou Gonzaga.

 

Brasil Maior


Durante a abertura da 9ª Edição da Feira a expectativa era com relação ao anúncio do pacote do conjunto de medidas para fortalecer a indústria brasileira e dar a ela condições de competir. Enquanto os discursos eram realizados na NSFM, a presidente Dilma Rousseff, lançava o Plano Brasil Maior.


O presidente da Regional Centro-Oeste da Fiemg, Afonso Gonzaga, ressaltou que a Federação está perplexa com o que diz respeito a indústria. “Estamos aguardando as notícias de Brasília e esperamos que neste pacote possa ser contemplado a desoneração da folha de pagamento, imposto e buscar o crescimento. Somos alvo de um comércio extremamente ágil que é o comércio da China, temos que ficar atentos para que não busquemos aí a desindustrialização”, enfatizou.
 

Afonso ainda revela que em uma reunião com o presidente do Banco Central, as expectativas não foram boas. “O presidente do Banco Central não nos dá muita informação com relação ao futuro, mas com uma flutuação cambial extremamente negativa, juros extorsivos e carga tributária extremamente alta são complicados. Temos que buscar ações que possam valorizar e crescer este seguimento, principalmente de calçados que é de suma importância para Minas Gerais”.


O Plano lançado na manhã de ontem representa a nova política industrial, tecnológica, de serviços e de comércio exterior do governo federal e define, entre outros pontos, medidas para combater a competição desleal dos produtos importados, sem qualidade e com preços superficialmente baixos.  Estas medidas objetivam proteger o país da concorrência desleal que reduz as exportações brasileiras e também afeta o mercado interno.Todas as medidas podem ser conferidas no site: http://www.brasilmaior.mdic.gov.br/.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.