terça-feira, 11 de Fevereiro de 2014 04:38h Pollyanna Martins

O meio ambiente agradece

Ministra do Meio Ambiente aprova projeto para nova destinação de areia de fundição

Autoridades se reuniram na tarde da última sexta (7) para discutirem o projeto que prevê a destinação correta de areia de fundição. A reunião aconteceu na sede da Fiemg em Belo Horizonte, e estiveram presentes a Ministra do Meio Ambiente Izabella Teixeira, o Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, Olavo Machado Junior e o Presidente do Sindicato da Indústria da Fundição do Estado de Minas Gerais e da FIEMG Regional Centro Oeste, Afonso Gonzaga. Na ocasião, foi entregue um documento com os resultados de análises que comprovam que as ADF – areias descartadas de fundição são um resíduo sólido apropriado para cobertura de lixo orgânico e fabricação de massa asfáltica.
O estudo integra um projeto que busca a destinação correta das ADF’s – Areias Descartadas de Fundição, de acordo com as normas ABNT 10.004/2004 e 15702/2009, que estabelecem as diretrizes para aplicação de areias descartadas de fundição, como matéria-prima em concreto asfáltico e cobertura diária em aterro sanitário. Após o estudo, foi aprovado o Plano Municipal de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos que, em parceria com a Prefeitura de Divinópolis, contemplará a areia de fundição como cobertura do novo aterro que será construído na cidade. O próximo passo será a escolha da empresa que deverá gerir o projeto através de licitação, o que deve acontecer no próximo mês. Outra reunião foi agendada a pedido da Ministra para o dia 24/02 e acontecerá na CNI – Confederação Nacional da Indústria. “As ADF’s representam hoje o maior resíduo sólido no Estado e apresentamos um projeto consistente, transformando rejeitos em matéria prima de primeira grandeza, viabilizando tecnicamente todas as plantas de fundição do Estado de Minas e nessa reunião levaremos o assunto ao CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente, com intuito de tornar nacional a decisão do uso das ADF´s”, conta Afonso Gonzaga.

Atualmente a areia descartada da fundição é, em parte, reaproveitada pela própria fundição e o restante é levado para um aterro de Itaúna. Depois da licitação e se a empresa for escolhida um prazo será estabelecido para dar início ao projeto. Segundo a assessoria de imprensa da Fiemg, a areia não será utilizada no aterro de Divinópolis que já existe, o antigo lixão. será criado um novo aterro e por isso ainda é preciso um tempo para estudar o melhor local para sua implantação. A areia descarrega um grande impacto ao meio ambiente quando não é destinada corretamente. “As ADF´s são o maior resíduo industrial não Inerte do Brasil e de MG. O descarte destas representa um dos 3 maiores custos de produção do setor. 99,9 % não são contaminantes mas causam enormes impactos ambientais devido ao volume a ser transportado”, explica a analista de comunicação da Fiemg, Gracielle Castro.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.