quinta-feira, 27 de Março de 2014 07:20h

Obras para implantação da primeira barragem do Projeto Jequitaí seguem no Norte de Minas

Representantes da Sedinor e da Semad inspecionaram nesta quarta-feira obras do projeto, que vai beneficiar, direta e indiretamente, cerca de um milhão de pessoas.

Representantes das secretarias de Estado de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Sedinor) e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) inspecionaram nesta quarta-feira (26/03) as obras para implantação da primeira barragem do Projeto Jequitaí, no município de mesmo nome, localizado na região Norte do Estado. O empreendimento é resultado de parceria entre o Governo de Minas e o Ministério da Integração, por meio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). Serão investidos R$ 59,9 milhões na construção da barragem.

O secretário de Estado de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais, Gil Pereira, citou a integração no Governo de Minas como fator essencial para a retomada do antigo projeto que trará vários reflexos socioeconômicos positivos para toda a região. “Desde o início, o papel da Secretaria de Estado de Meio Ambiente tem sido estratégico para o bom andamento dos trabalhos, garantindo o rigor técnico necessário à implantação de empreendimento desse porte, juntamente com a atuação da Ruralminas”, disse. “Longos períodos de seca têm castigado a região. A partir dessa grande intervenção, até o fim do ano que vem poderemos contar com o reservatório para melhor convivência com as condições do clima regional”, observou Gil Pereira.

O secretário de Estado de Meio Ambiente Adriano Magalhães avaliou os avanços da construção da barragem. “Sabemos que a seca no Norte de Minas e nos vales do Jequitinhonha e Mucuri exige diversas ações. Entretanto, esse passo é fundamental para encontrarmos alternativas de convivência do sertanejo com a estiagem. Trata-se inclusive de exemplo para outras regiões, onde também pode faltar água”, afirmou.

 

 

 

Reivindicação

O Projeto Jequitaí é reivindicação de Minas Gerais desde a década de 1950, sendo considerado fundamental para o desenvolvimento econômico regional. Após grande esforço do Governo de Minas junto ao Ministério da Integração, o empreendimento está sendo implantado. Em 2011, o governo mineiro, por meio da Ruralminas e da Sedinor, e a Codevasf assinaram convênio de R$ 95 milhões para o processo de desapropriação da área da Barragem Jequitaí I.

Com investimentos da ordem de R$ 1,5 bilhão a serem feitos em um prazo de 12 anos, o Projeto Jequitaí viabilizará a irrigação de 35 mil hectares de lavouras na região do semiárido mineiro, contemplando 19 municípios. Serão produzidos itens como uva, manga, banana, algodão, abacaxi, melão, alho, tomate industrial, entre outros. O sistema de irrigação terá dois canais principais, um com 44,8 quilômetros de extensão e o outro com 32,4 quilômetros. As duas barragens poderão acumular 766,25 milhões de metros cúbicos de água.

 

 

 

 

Influência

A influência direta do projeto ocorrerá em uma área que engloba 12 municípios, com população de 587 mil habitantes. São eles: Jequitaí, Engenheiro Navarro, Claro dos Poções, Francisco Dumont, Lagoa dos Patos, Várzea da Palma, Pirapora, Buritizeiro, Coração de Jesus, Joaquim Felício, Bocaiúva e Montes Claros. Indiretamente, serão beneficiadas cerca de um milhão de pessoas na área de influência do Vale do Rio Jequitaí.

Cada hectare irrigado gera um emprego direto e dois indiretos. Quando em pleno funcionamento, o Projeto Jequitaí deverá gerar 105 mil postos de trabalho. A produção agrícola anual projetada é de 522 mil toneladas de alimentos, com predomínio do cultivo de frutas, como já acontece em outros perímetros irrigados implantados no Norte de Minas, entre eles os de Jaíba, Pirapora, Lagoa Grande e Gorutuba.

 

 

 

São Francisco

Além do incremento da agricultura irrigada, a obra vai garantir o abastecimento de água em vários municípios, que anualmente sofrem com os longos períodos de estiagem, e contribuir para a contenção de cheias e a perenização do rio Verde Grande, um dos principais afluentes do Rio São Francisco em Minas Gerais.

O sistema de barragens vai contribuir para a regularização da vazão do rio Jequitaí e, por consequência, do Rio São Francisco e sua revitalização, potencializando o ecoturismo, recreação e lazer, piscicultura e a geração de 20 megawatts de energia.

Também participaram da visita às obras da primeira barragem do Projeto Jequitaí autoridades regionais e técnicos, incluindo o superintendente da Codevasf em Montes Claros, Aldimar Dimas Rodrigues.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.