quarta-feira, 1 de Agosto de 2012 13:11h Gazeta do Oeste

Oito novos investimentos vão gerar mais de 1.500 empregos em Minas

Mais de 1.500 novos postos de trabalho estão sendo criados em Minas Gerais com investimentos de R$ 82,746 milhões. Os números são resultado de oito protocolos de intenções, que acabam de ser assinados com o Governo de Minas, por intermédio do Instituto de Desenvolvimento Integrado (Indi), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede).
O primeiro protocolo, no setor da agroindústria, foi com a Indústria de Produtos Alimentícios Café Campinho Ltda. O objetivo é viabilizar a expansão de sua unidade, no município de Alfenas, Sul do Estado, destinada à produção e comercialização de café solúvel, café líquido concentrado, café com leite, cappuccino, cafeína, lecitina de soja, chás solúveis e concentrados, suco de laranja, licor de café e energético.

 


Com tecnologia avançada, tanto no processo produtivo como de comercialização, e investimento de R$ 44,87 milhões, a Café Campinho, que já exporta café concentrado para os Estados Unidos, pretende lançar o produto também no mercado brasileiro. Com capacidade de 200 toneladas de café solúvel, a expectativa com a expansão é de triplicar a produção e ainda produzir 400 mil litros por mês do concentrado. A expansão permitirá também a entrada no mercado de suco de laranja. A capacidade prevista é de atingir os 12 mil quilos de laranja por hora e produzir seis mil litros de suco por hora ou 1.200 quilos de suco concentrado. Já a produção de chá deverá ser de 10 toneladas por mês, tanto solúvel quanto em sachê.

 


Segundo o diretor da Café Campinho, José Reinaldo Vieira da Silveira, a necessidade de agregar valor e a exigência dos mercados que clamam por inovação e por sustentabilidade levaram a empresa a criar um produto que é a evolução do café sem que seu sabor seja perdido. “Apresentamos uma solução inovadora que visa praticidade e economia. O café 100% líquido concentrado já vem pronto para consumo precisando apenas ser diluído em água quente, não precisa ser coado, evita desperdícios e elimina praticamente 90% do trabalho”, destacou.

 


Fundada em 1962, a Café Campinho atua no ramo do café cru, torrado e moído. Em meados dos anos 90, através de terceirização, a indústria introduziu na Rússia o conceito de café sachê e desde então iniciou a produção de café solúvel.

 


Durante a assinatura dos protocolos, o presidente do Indi, José Frederico Álvares, informou aos empresários que além da orientação dos técnicos do instituto na condução do investimento, o Governo de Minas dispõe de mecanismos financeiros favoráveis. “Disposto não apenas a atrair novos investimentos mas em manter aqui as empresas já instaladas, o Governo de Minas Gerais criou políticas públicas adequadas, dentro de conceitos internacionais. Oferece apoio permanente ao empresário, que em qualquer região do Estado, encontra muitas oportunidades para crescer. Para tanto, agilidade passou a ser principal diretriz da política estadual na interlocução com o empresário”, enfatizou.

 

 

Perfis metálicos

 


Também assinou protocolo de intenção com o Governo de Minas, a Ferrominas Perfilados Ltda. Com investimentos de R$ 6,55 milhões e a geração de 120 empregos diretos e 60 indiretos, a empresa pretende atender a demanda da Zona da Mata mineira e também fortalecer o Grupo Ferrominas, em virtude do crescimento do polo moveleiro de Ubá e região que sofre concorrência com empresas do Espírito Santo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo e que gozam de benefícios fiscais. A Ferrominas Perfilados, que pretende iniciar sua produção ainda este ano, tem como meta atingir 800 toneladas por mês de tubos, chapas e perfilados para a indústria metalúrgica e moveleira.

 


O Grupo Ferrominas é formado por três empresas: Ciatel (fabricação de telhas e calhas de aço), Ferrominas (distribuição de produtos siderúrgicos e que terceiriza a produção de parte dos produtos que comercializa), Ferrominas Transportes Ltda. (distribuição dos produtos do grupo).

 

 

Diversificação

 


Exemplo claro da diversificação dos investimentos no Estado, a LGB Negócios Internacionais Ltda também assinou protocolo de intenções com o INDI. Trata-se de uma empresa que presta serviços de agenciamento de fretes, análise tributária, assessoria jurídica e consultoria na área empresarial, importação direta e importação por conta e ordem de terceiros. Fundada em 2010, a empresa atua na importação de equipamentos, partes, peças e acessórios para a prática de tiro esportivo; antenas de rádio e teletransmissão; guindastes; setor automotivo e aéreo e setor médico-hospitalar.

 


Com investimento de R$ 1,766 milhão, seu objetivo é a importação de itens para viabilizar o adequado treinamento esportivo em tiro ao alvo para atiradores esportivos e demais indivíduos que tenham interesse na modalidade, tais como pessoas físicas, policiais militares, civis, federais e do Exército.

 

 

Inovação e tecnologia

 


Com a expectativa de preencher uma lacuna existente no mercado de vidros, chega a Minas Gerais a Jepracorp Importação, Exportação e Comércio Ltda, do Grupo Galtier. O objetivo do projeto, em implantação, é de construir uma unidade industrial, em Lagoa Santa, com investimento de R$ 15 milhões e geração de 60 empregos diretos e 300 indiretos. O projeto tem conclusão prevista para 2013, quando deverá atingir os 20 mil metros por mês de vidro e 70 toneladas por mês de alumínio.

 


A nova unidade será destinada ao beneficiamento e industrialização de vidro e alumínio. Também está prevista a importação, para utilização como matéria-prima, de produto intermediário ou para comercialização de vidro óptico, estirado ou soprado, vidro óptico, flotado em chapas ou folhas, barras e perfis de alumínio, vidro vazado, em chapas e folhas e espelhos de vidro e retrovisores para veículos.

 


O Grupo Galtier atua no mercado de distribuição, venda e instalações de vidros desde 1984, atendendo todo o Brasil. O Grupo importa também vidros para revenda no mercado interno, terceiriza a laminação, têmpera e curvação para empresas de São Paulo, executa a instalação e oferece manutenção e atendimento pós-venda. Já tem unidades instaladas em São Paulo e Minas Gerais.

 


Construção civil

 


Outro protocolo de intenções assinado foi com a Bramex Brasil Indústria e Comércio Ltda., com sede em Vespasiano. A empresa, que faz parte do grupo Orguel, está investindo R$ 7 milhões com o objetivo de identificar, no exterior, tecnologias que contribuam para o desenvolvimento da indústria da construção no Brasil.

 


Com término do projeto previsto para 2014, a Bramex pretende aumentar o volume de compras buscando aumentar e intensificar o volume de vendas em todo o país. Serão gerados 30 empregos diretos e 20 indiretos.

 


Fundada em 1996, a Bramex comercializa equipamentos e acessórios para construção civil, como compactadores de solo, martelos elétricos, bombas submersíveis, cortadoras de piso, placas vibratórias, dentre outros. Por se tratar de uma empresa importadora de produtos desenvolvidos no mercado asiático, mantém um estoque disponível para venda contando desde a produção até a nacionalização da mercadoria.

 

 

Eletroeletrônicos

 


Com investimento de R$ 3,48 milhões e a geração de 40 empregos diretos e 60 indiretos, a Tecnibra (RJF2005 Informática Ltda.) irá expandir sua unidade industrial, localizada em Juiz de Fora, destinada à fabricação e comercialização de produtos eletroeletrônicos como timer digital.

 


A Tecnibra é uma empresa voltada à fabricação de equipamentos para automação. Possui estrutura formada por um grupo de empresas credenciadas que é responsável pela concepção, fabricação, distribuição, instalação, treinamento e suporte a todos os equipamentos da marca Tecnibra, tendo como base a sede principal da empresa que gerencia todos os processos.
Sua linha de equipamentos está dividida em quatro grupos: divisão de ponto (relógios de ponto e autenticadores de documentos), divisão de acesso (coletores de dados e catracas), divisão industrial (fabricação de máquinas voltadas a automação industrial, como sopradoras, túneis de encolhimentos para rótulos, moinhos granuladores, esteiras, degoladores de gargalos e unidades de água gelada (chillers), divisão bancária (fabricação de caixas para depósitos e postagens de documentos). O projeto tem término previsto para dezembro de 2014, quando deverá atingir a capacidade de produção de 21.400 unidades por ano.

 


Já a Plascotec Indústria e Comércio Ltda. está investindo R$ 2,95 milhões na expansão da sua unidade industrial em Itapeva, Sul de Minas. Fabricante de plugues injetados, fios e cabos para indústria eletroeletrônica, a empresa pretende atingir a capacidade de produção de quatro mil unidades de condutores elétricos e 2.300 unidades de tomadas por ano, com início da produção em 2013.
Com a expansão, a Plascotec, fundada em 1986, em São Paulo, irá gerar 150 novos empregos diretos e 50 indiretos. O cronograma de execução do projeto tem término previsto para dezembro de 2017.

Identificação patrimonial
Criada em 1992 para a fabricação de produtos que empregassem o código de barras, para identificação patrimonial de empresas e de etiquetas específicas para identificação de centros de distribuição, sinalização de armazéns, aplicações onde seja requisito a longa durabilidade da identificação, tais como: placas de identificação de máquinas e equipamentos, a Planner Gráfica Ltda irá expandir suas atividades.
Sediada em Nova Lima, com investimento de R$ 1,12 milhão e geração de 20 novos empregos diretos, a Planner quer duplicar até 2014 sua produção de etiquetas de alumínio fotográfico, devendo atingir 12 milhões de unidades. Além da produção, a empresa também importa e comercializa placas de sinalização e suportes para etiquetas. 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.