sábado, 29 de Março de 2014 07:41h

Parceria entre o BDMG e o BID vai apoiar novos microempresários com ferramenta inovadora

Negócios formalizados na Jucemg com até seis meses de existência terão acesso a R$ 60 milhões em financiamentos após uma análise psicométrica de perfil.

O Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) será o primeiro banco público, no Brasil, a aplicar metodologia inovadora do Entrepreneurial Finance Lab (EFL). A ideia, a partir da parceria firmada junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), é beneficiar novos negócios criados com até seis meses de existência na Junta Comercial do Estado de Minas Gerais (Jucemg). A partir da ferramenta, que realiza testes psicométricos para concessão de crédito, serão destinados cerca de R$ 60 milhões para financiamentos entre R$ 2 mil e R$ 15 mil.

“É uma parceria que estamos fazendo não apenas para Minas Gerais, mas queremos utilizar o exemplo dessa parceria para o resto da região da América Latina. É uma parceria inovadora para o sistema de formalização, que apoia o desenvolvimento da produtividade dos países. Hoje, 50% da força de trabalho da América Latina é informal”, sinaliza o presidente do BID, Luis Alberto Moreno.

O presidente do BDMG, Matheus de Carvalho, também avalia a parceria que já vem de longa data, com resultados positivos para o Governo de Minas. “É motivo de orgulho para Minas Gerais essa parceria, que vai se estender, porque temos outros projetos em andamento, do Banco e do Estado de Minas Gerais. Por intermédio do BDMG, temos orgulho de poder ajudar a cumprir a missão do BID, que é o desenvolvimento das comunidades e regiões que necessitam de apoio. Esse projeto tem o mérito muito grande porque é voltado para a base da pirâmide, que é o público mais difícil de se alcançar. O sucesso desse projeto irá permitir que ele seja utilizado como referência em vários outros países”, afirma.

O BDMG foi eleito pela International Finance Corporation (IFC) para se tornar um dos pioneiros na América Latina a utilizar a ferramenta, e o BID passou a apoiar a empreitada por meio do Programa Oportunidades para a Maioria (OMJ – Opportunities for the Majority Sector). Segundo o BID, o BDMG será o primeiro banco público a aplicar a metodologia baseada em testes psicométricos no Brasil.

Análise do perfil

A partir do mês de abril, um Questionário de Identificação de Perfil será apresentado pelo Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais, por meio da linha BDMG Acredita, para aquelas empresas abertas na Jucemg com até seis meses de existência.

A ferramenta vai avaliar situações diversas. Por exemplo, a de uma empresa que tenha um concorrente próximo. Num determinado momento, o dono concorrente precisa se afastar por motivo de doença e não pode trabalhar pelo período de um mês. Ele, então, não tem como acionar um substituto.  O que a empresa concorrente faria? Outra situação que exemplifica é a de um cliente de uma empresa que reclama da qualidade de um produto ou serviço oferecido pela companhia. Insatisfeito, ele exige o dinheiro de volta. O que deve ser feito?

Essas e outras situações vão determinar a identificação de perfil do empreendedor, que é justamente a parte do processo de avaliação de risco de crédito de empresas nascentes. Esse recurso deriva de uma metodologia inovadora criada pelo Laboratório de Finanças para Empreendedorismo (EFL - Entreupeneurial Finance Lab), que nasceu de um estudo promovido na John F. Kennedy School of Government da Universidade de Harvard. Após se tornar uma organização independente, o Laboratório foi premiado e reconhecido pelo G-20 SME Finance como uma das soluções mais inovadoras para financiamento de micro e pequenas empresas no mundo. Posteriormente, com o auxílio da International Finance Corporation (IFC) e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o EFL ampliou o alcance das ferramentas que havia desenvolvido para a África e a América Latina.

Após o registro da empresa, o empresário poderá responder ao questionário do BDMG Acredita acessando-o no próprio site do BDMG (www.bdmg.mg.gov.br) ou via banner no portal da Jucemg (www.jucemg.mg.gov.br). O questionário deverá ser preenchido pelo principal gestor da empresa e levará cerca de 30 minutos para ser completado. Questões que abrangem avaliação de inteligência, habilidades empresariais, atitudes, ética e caráter ajudam a avaliar aspectos ligados ao potencial de sucesso do respondente como empreendedor.

As informações fornecidas serão levadas em consideração na análise do crédito solicitado, que combinará a identificação do perfil do empresário com a política interna do BDMG.  Ao final, o candidato receberá um e-mail em poucas horas com o resultado, informando se teve ou não acesso ao financiamento. O empresário precisará enviar uma relação simples de documentos para o BDMG e, dentro de no máximo cinco dias úteis, o recurso será liberado em conta bancária na pessoa jurídica do CNPJ solicitante.

O BDMG Acredita financiará negócios que acabaram de se formalizar, principalmente nos setores do comércio e de prestação de serviços, apoiando o empreendedor desde o início de sua atuação. Estarão disponíveis R$ 60 milhões para financiamentos entre R$ 2 mil e R$ 15 mil, que poderão ser utilizados como capital de giro, sem a necessidade de comprovação do investimento. O prazo de financiamento será de 24 meses, sendo três meses de carência, juro de 1,78% ao mês e taxa de abertura de crédito (TAC) de 2%, descontada no ato da liberação. A garantia será o aval de todos os sócios e cônjuges, com dispensa de comprovação de patrimônio.

Cada cliente poderá obter no máximo três vezes o capital social integralizado da empresa. O empresário não precisará ter sido cliente do BDMG, ter começado a faturar ou ter de comprovar o faturamento ou o patrimônio dos sócios. O questionário de identificação de perfil será disponibilizado inicialmente na plataforma de crédito on-line do banco, acessado no próprio site. Posteriormente, será estendido para os Correspondentes Bancários espalhados pelo interior do Estado.

A parceria com o BID reforça o pioneirismo do BDMG em financiar empresas nascentes da base da pirâmide econômica e social. “As empresas nascentes carecem de mecanismos de financiamento com condições atrativas, tendo em vista que não possuem histórico financeiro. O BDMG Acredita vem preencher essa lacuna, buscando soluções financeiras e apostando no sucesso dos microempreendedores de nosso Estado”, finaliza o presidente do Banco, Matheus de Carvalho.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.