segunda-feira, 19 de Maio de 2014 05:07h

Parceria para ampliar política de ressocialização de presos marca celebração dos 40 anos da Epamig

Acordo entre órgãos estaduais foi assinado na cerimônia de comemoração do aniversário da empresa, que contou com a presença do governador Alberto Pinto Coelho

A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) completou 40 anos neste mês e para comemorar o aniversário realizou uma cerimônia nesta sexta-feira (16/05), em Belo Horizonte. Durante a solenidade, foi assinado um termo de cooperação técnica entre a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, suas vinculadas Epamig, Emater, IMA e Ruralminas, a Secretaria de Estado de Defesa Social e a Ouvidoria-Geral do Estado, para ampliar a política de ressocialização de presos no Estado. Por meio da iniciativa, usuários do sistema trabalharão em fazendas experimentais sendo remunerados e tendo as penas reduzidas. O próximo passo da ação será a definição de quais presídios e fazendas poderão receber os detentos.

“Essa parceria é inédita no país. Vai dar condições de ressocialização ao preso. Certamente será uma grande oportunidade de atuarmos no desenvolvimento social do Estado e também de reduzir custos, um princípio básico de gestão. Quando se admite presos nesta situação você não tem encargos sociais e a cada três dias trabalhados se reduz um dia de pena”, afirmou o presidente da Epamig, Marcelo Lana.

Durante a cerimônia de celebração, o governador Alberto Pinto Coelho recebeu uma homenagem especial da Epamig. Ao agradecer a homenagem, Alberto Pinto Coelho destacou o relevante papel da Empresa para o setor agropecuário brasileiro. Para ele, o país precisa inovar para reduzir custos de produção e aumentar sua competitividade no mercado internacional. Ele ressaltou que transportar grãos do Centro-Oeste até o litoral fica mais caro do que o transporte até a China.

“O Brasil precisa se colocar em uma posição vanguardista, vencer e romper essas barreiras, para que possamos construir uma grande nação. Portanto, estar aqui hoje representa o reconhecimento do Governo de Minas e de toda sociedade mineira e brasileira, ao trabalho de cada técnico da Epamig. O dever dos senhores, apesar das dificuldades e dos desafios, está sendo cumprido e é o que faz o Brasil caminhar”, disse.

O secretário de Estado de Agricultura, André Merlo, ressaltou que o setor agropecuário é quem sustenta a economia do país, gerando emprego e renda. “Se a agropecuária vai bem, outros setores da economia vão bem”, completou.

O presidente da Epamig, Marcelo Lana, falou ainda sobre os desafios da Epamig após quatro décadas de atuação. Ele lembrou que a pesquisa agropecuária tornou possível o desenvolvimento de cultivares adaptadas às condições de clima e solo do Estado e a geração de tecnologias e informações que propiciaram aumento de produtividade em segmentos tradicionais e também novas inclusões no processo produtivo. “Mudanças climáticas também irão impor complexas condições e exigir novos métodos de pesquisa, novas estratégias de produção e daí a necessidade do desenvolvimento de tecnologias para superar as mudanças no clima”, disse.

Aumento de produtividade

Antes do descerramento de placa comemorativa aos 40 anos da Epamig, o chefe do departamento de pesquisa, Trazilbo de Paula, apresentou o novo sistema de gestão de pesquisa da Empresa. Ele lembrou que, graças à pesquisa, o Norte de Minas se tornou o terceiro polo na produção de banana do país. Na região, são produzidas, em média, 23 toneladas de banana por hectare, enquanto a média nacional é de 14 t/ha. A Epamig conta com cerca de 950 funcionários, dos quais 178 são pesquisadores. Atualmente a empresa desenvolve 331 projetos de pesquisa e 400 experimentos espalhados em diferentes regiões do Estado.

A cerimônia de comemoração incluiu também uma mostra de produtos feitos com tecnologia da Epamig e entrega de certificado para funcionários que, neste ano, completam 10, 20, 30 e 40 anos de trabalho. Outra atração do evento foi o Ciência Móvel, micro-ônibus adaptado para ser um pequeno laboratório itinerante, onde há demonstração de pesquisas.

Histórico

Criada em 1974, a Epamig mantém unidades em regiões estratégicas do Estado. Além da sede administrativa (em Belo Horizonte), possui dois núcleos de ensino (Instituto de Laticínios Cândido Tostes, em Juiz de Fora, e Instituto Técnico de Agropecuária e Cooperativismo, em Pitangui); cinco unidades regionais (Centro-Oeste, Sul de Minas, Norte de Minas, Zona da Mata e Triângulo e Alto Paranaíba), que coordenam três núcleos tecnológicos (Uva e Vinho; Azeitona e Azeite; Floricultura); 28 fazendas e duas estações experimentais. Três novas unidades especiais estão em implantação em Governador Valadares, Teófilo Otoni e Unaí.

A Epamig conta com nove programas de pesquisas nas áreas de cafeicultura, floricultura, fruticultura, grandes culturas, olericultura, processamento de leite e derivados, produção animal, silvicultura e meio ambiente, e agroecologia.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.