quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2016 13:17h Atualizado em 25 de Fevereiro de 2016 às 13:23h. Agência Minas

Parcerias da Sedese geram qualificação profissional na área de manutenção de aeronaves

Articulação entre Secretaria, empresas e instituições de ensino produzem bons resultados no modelo de gestão do Pronatec em Minas

João da Veiga Pinto Júnior, 36 anos, é um dos 21 alunos que vão concluir, no próximo mês, o curso de Práticas Padrão de Manutenção de Aeronaves, realizado em parceria com o Sest/Senat e a Azul Linhas Aéreas, com intermediação da Secretaria de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese), por meio do Pronatec Minas. As atividades começaram no início de dezembro e envolvem quatro módulos, o último deles é aviônica, que significa aplicação das técnicas da eletrônica à aviação.

“Temos que nos qualificar, porque, quando essa crise passar, estaremos prontos para o mercado”, pondera o morador do Barreiro, que percorre 64 quilômetros todos os dias para fazer o curso. Credenciado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), João trabalha na área desde 2010 e está sempre em busca de qualificação profissional. Já é o segundo curso que faz na unidade do Sest/Senat, no Bairro Serra Verde, em Belo Horizonte. “O conhecimento adquirido no curso é muito bom, se vê muita coisa e ainda posso aplicar no trabalho”, elogia.

Outro aluno do curso, Reuter Hot Pimenta, de 39, acredita em sua vocação para a área. Apesar de ainda não atuar no ramo, diz que sempre gostou de mecânica e vê uma grande oportunidade de qualificação nesse curso. “A mecânica em geral, para mim, sempre foi muito fácil. Pretendo atuar no setor, ainda estou me inteirando do mercado e, quanto mais me qualificar, melhor”, acredita. 

De acordo com o instrutor de aviônica Gladstone de Jesus Souza, o curso prepara o aluno para ser mecânico de manutenção de aeronaves, o qualifica para as provas da Anac e o torna, ainda, um profissional apto a resolver problemas elétricos de toda natureza.

“O aluno sai com um conhecimento muito amplo para um mercado que está em ascensão. Nossa expectativa é conseguir, através de incentivos como os do governo, por exemplo, que os alunos tenham mais contato com as empresas e consigam ingressar nelas de forma segura”, explica.

Na avaliação do professor, existe uma carência de profissionais no setor elétrico da aviação.  “Este curso, apoiado por essa articulação entre a empresa ofertante e poder público, proporciona contato direto com uma formação técnica inserida na própria empresa. As empresas de aeronáutica ensinam sobre a área de elétrica do jeito que está sendo passado aqui”, enfatiza.

Outra vantagem do curso, segundo Gladstone, é que os alunos não terão dificuldade de adaptação à realidade das empresas, caso consigam uma colocação no mercado de trabalho. A carga horária do curso é de 200 horas, com aulas de segunda a sexta-feira, das 19h às 22h.

 

 

 

Articulação

O subsecretário de Trabalho e Emprego da Sedese, Antônio Lambertucci, considera que a articulação entre poder público e empresas permite uma aproximação maior dos alunos com a realidade do mercado de trabalho. Para o subsecretário, o Pronatec melhora as chances de colocação, mesmo com a diminuição dos postos. “A qualificação profissional amplia e diversifica o perfil do trabalhador, para que ele tenha condições de se inserir em diversas oportunidades, quando aparecerem”, ressalta.

A expectativa, segundo o subsecretário da Sedese, é abertura de uma nova temporada de pactuação de vagas pelo Ministério da Educação (MEC), neste ano. “Para que possamos atuar com essa articulação com as empresas ofertantes, empresários, poder público e alunos, no sentido de que os cursos sejam oferecidos da forma mais sintonizada possível com o que as empresas necessitam, e que o público mais vulnerável, com maior dificuldade de se inserir no mercado, possa ser mobilizado para fazer esses cursos”, completa.

 

 

 

Pronatec Minas

Para dar mais eficiência ao programa, o modelo de governança denominado Pronatec Minas, lançado em outubro de 2015, está em constate articulação com todas as 20 diretorias Regionais da Sedese, além das 28 unidades da UAI no Estado e 105 unidades do Sistema Nacional de Emprego (Sine), que estão preparadas para realizar pré-matrículas e encaminhamentos dos alunos. 38 unidades já aderiram e a Sedese trabalha para que adesão chegue a 100%. Atualmente, 331 municípios mineiros pactuaram 1.080 cursos e 23.994 vagas.

A maioria dos cursos já iniciou e serão executados até junho de 2016. Estão previstas novas pactuações para o segundo semestre. “O projeto trabalha para enfrentar outro desafio, a falta de um sistema unificado de monitoramento que efetive melhor o acompanhamento e a avaliação, por isso, o fomento à articulação local e regional é fator fundamental para o sucesso do programa”, pondera Henrique Pacheco, analista de Gestão e Políticas Públicas da Diretoria de Educação para o Trabalho da Sedese.

A articulação avança ainda com a adesão de novos parceiros, em Montes Claros, com o Instituto Federal do Norte de Minas; e Passos, com o Instituto Federal do Sul de Minas. As duas cidades abrigam diretorias regionais da Sedese.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.