quarta-feira, 4 de Março de 2015 13:02h Agência Minas

Parque Estadual do Ibitipoca amplia capacidade de visitação diária para benefício dos usuários

Parque poderá receber 400 visitantes a mais diariamente, garantindo tranquilidade e conforto para os turistas e com possibilidade de maior movimentação na economia local

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente publicou no Diário Oficial do Estado, na quinta-feira (26/2), portaria que amplia a capacidade de carga do Parque Estadual do Ibitipoca de 800 para 1.200 visitantes diários. O público que visita o Parque, localizado nos municípios de Lima Duarte e Santa Rita do Ibitipoca, na região da Zona da Mata, poderá programar o passeio com maior tranquilidade e conforto para explorar as áreas verdes, mirantes, grutas, piscinas cachoeiras e picos, após o aumento de 400 pessoas para o uso diário das instalações.

O Parque Estadual do Ibitipoca ocupa o alto da Serra do Ibitipoca, em uma área de 1.488 hectares e a unidade de conservação está no local onde se dividem as bacias do Rio Grande e do Rio Paraíba do Sul. É um dos Parques mais visitados do Estado, um dos mais conhecidos do Brasil e uma das principais atrações turísticas da região, por isso recebe um alto fluxo de visitantes.

O aumento da capacidade foi embasado em estudo realizado pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF) por meio de profissionais capacitados em estudos geográficos e de impactos ambientais. Com análise foi possível chegar a este número para visitação diária mantendo a preservação integral do Parque.

De acordo com o gerente do Parque Estadual do Ibitipoca, João Carlos Lima, os turistas poderão usufruir com mais tempo os atrativos do Distrito de Conceição do Ibitipoca já que antes era necessário se organizar com maior antecedência para chegar cedo ao Parque e garantir a entrada. “Antes, com um limite máximo de 800 pessoas logo cedo o Parque já estava com seu limite, principalmente durante os feriados prolongados e em período de férias escolares”, enfatiza João.

O benefício atinge também - além dos visitantes - o comércio local como hotéis, campings, pousadas, bares e restaurantes e loja local de souvenires (objetos que resgatam memórias relacionadas ao destino turístico). “Com o aumento do número de visitantes, ganha também o comércio, que será ampliado afetando o desenvolvimento da economia local”, afirma Lima.

Parque Estadual do Ibitipoca

Criado em 4 de julho de 1973, pela Lei nº 6.126. ‘Ibitipoca’, palavra tupi-guarani, significa “Serra que estoura” ou “Serra estourada”, devido a grande incidência de descargas elétricas (raios) ou a grande quantidade de grutas.

A Ponte de Pedra, a Janela do Céu, a Gruta dos Três Arcos e o Pico do Pião são apenas alguns dos atrativos de Ibitipoca que abriga ainda mirantes, grutas, praias, piscina natural, cachoeiras, picos e as belas cachoeiras e piscinas naturais formadas pelos Rios do Salto e Vermelho e o Córrego do Monjolinho. O pico da Lombada, também conhecido como Ibitipoca, com 1.784 metros de altitude, oferece uma vista panorâmica inigualável.

Patrimônio natural com fauna e flora diversificadas

A fauna é rica, com a presença de espécies ameaçadas de extinção, como a onça parda, o lobo guará e o primata guigó. Aparecem também os macacos barbado, sauá (sagui), o papagaio do peito roxo, o coati, o andorinhão-de-coleira falha, entre outros. Dentre os anfíbios encontra-se uma espécie de perereca, a "Hyla de Ibitipoca", que foi identificada pela primeira vez na região.

Diversas espécies da flora são encontradas na unidade de conservação como orquídeas, bromélias, candeias, líquens e samambaias. Um traço marcante da vegetação no Ibitipoca são as "barbas-de-velho", uma espécie de líquen verde-água, que pende dos galhos das árvores, provocando um belo efeito visual. Os campos rupestres constituem uma grande extensão de vegetação do Parque.

Infraestrutura

As edificações do Parque Estadual de Ibitipoca passaram por recente reforma e novas instalações melhoraram ainda mais a infraestrutura de apoio a visitantes e pesquisadores. O Parque possui portaria, estacionamento, área de camping, restaurante, Centros de Visitantes, de Administração e de Pesquisas, casa de hóspedes e alojamentos destinados a pesquisadores e funcionários. As obras foram realizadas com recursos do Projeto de Proteção da Mata Atlântica de Minas Gerais (Promata/MG) que investiu cerca de R$ 2 milhões.

Visitação

Todos os dias do ano, excetuando as segundas-feiras desde que estas não sejam em feriados e em período de férias escolares, abrindo as 7 horas com término de visitação às 18 horas.

O público visitante pode entrar na unidade até as 17 horas e campistas até às 17h30min, não podendo esquecer-se das limitações existentes.

O Centro Administrativo funciona no período das 8h às 17 horas, de segunda-feira a sexta-feira. Nos outros dias a visitação é feita somente com agendamento.

O Centro de Visitantes nos dias úteis está aberto no período das 8h às 13 horas e nos finais de semana e feriados das 08h às 12 horas e das 13h às 15h, podendo ser estendido em casos de aumento no número de visitantes.

Loja de venda de souvenires fica aberta sempre das 8h às 17 horas.

O Restaurante/Lanchonete tem seu horário diferenciado para visitantes e campistas, tendo em todos os dias o seu atendimento para visitantes das 8h às 17 horas, e para campistas encerrando as 22 horas.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.