segunda-feira, 14 de Março de 2011 00:00h

Penitenciárias mineiras abrigam 500 psicopatas

Minas Gerais tem 500 presos identificados como psicopatas. Eles representam 1,25% da população carcerária do Estado, de 40 mil criminosos, distribuída por 117 unidades prisionais.

São considerados pelo secretário-adjunto de Estado de Defesa Social, Genilson Ribeiro Zeferino, como os detentos mais perigosos e difíceis de lidar. Mas agentes penitenciários denunciam não receber capacitação específica para cuidar desse tipo de condenado, o que deixaria os servidores vulneráveis a maldades e manipulações. As informações são do jornal Hoje em Dia

O psiquiatra forense e criminólogo Paulo Roberto Repsold defende a melhor capacitação dos agentes e a separação dos presos comuns dos psicopatas – classificados como perigosos, impulsivos, dissimulados e antiéticos. Para o especialista, é urgente a criação de uma cadeia especial para esse tipo de interno, o que não acontece no Brasil.

De acordo com Repsold, o contato diário entre uma pessoa considerada mentalmente normal e uma que sofre do transtorno psicopático precisa ser evitado.

-Essa convivência, dentro ou fora de um presídio, é nefasta e injusta com quem não tem a síndrome.

De acordo com o secretário-adjunto de Defesa Social, entre os presos mineiros com diagnóstico de psicopatia estão o estudante de Direito Frederico Flores, 31 anos, e o pintor Marcos Antunes Trigueiro, 32. O primeiro é acusado de extorquir, torturar e degolar dois empresários de Belo Horizonte, em abril do ano passado.

O segundo estuprou e matou cinco mulheres entre 2009 e 2010. Ambos estão presos na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Grande BH, convivendo diretamente com os outros criminosos.

Experiência

Adeilton Souza Rocha, diretor do Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária de Minas Gerais (Sindasp-MG), diz que o agente aprende a lidar com o psicopata “na marra”.

-Os próprios agentes é que vão orientando os colegas sobre como agir. Não há preparo psicológico nem técnico para isso. Mas o risco é constante. Por isso, reivindicamos um curso de capacitação mais específico.

O treinamento recebido pelos servidores, segundo Rocha, dura de uma a três semanas. Mas abordaria somente temas como Direitos Humanos e noções de técnicas de condução de presos, de normas jurídicas e de administração pública, além dos procedimentos operacionais de rotina da penitenciária.

Mas o secretário-adjunto de Defesa Social acredita que a capacitação atual basta para que o agente possa atuar junto aos presos psicopatas. Genilson Zeferino alega que as características da doença, como a agressividade, são minimizadas por meio do tratamento médico diferenciado ministrado dentro dos presídios.

- Os detentos que têm a psicopatia são os mais difíceis de lidar. Eles são inteligentes, reivindicam mais, brigam com os outros presos e com os agentes. Também são antissociais e, por não terem arrependimento, constroem uma outra versão para seus crimes, se colocando sempre como injustiçados. Mas, ao mesmo tempo, recebem medicação para reduzir o grau da agressividade e são vigiados constantemente.

Fonte : Agencia Brasil

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.