sexta-feira, 27 de Julho de 2012 09:26h Gazeta do Oeste

Pesquisa direciona fiscalização

A BHTrans também ressaltou que o resultado de uma dessas pesquisas mostrou a necessidade da criação de novas vagas de estacionamento rotativo na região Oeste de Belo Horizonte

A pesquisa feita em estacionamentos rotativos de Belo Horizonte pode direcionar a fiscalização feita pela Polícia Militar e pela Guarda Municipal. Isso acontece porque as informações colhidas pelos pesquisadores permitem que os órgãos de trânsito tenham conhecimento dos pontos onde existem mais infratores. De posse desses dados, os agentes são, então, encaminhados para as áreas mais problemáticas.

 

 

Os pesquisadores são jovens contratados pela Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans) que trabalham com coletes e bonés amarelos. Para fazer o levantamento, eles anotam as placas dos veículos e verificam as folhas de rotativos. Ontem, a reportagem de O TEMPO mostrou que os motoristas temiam que esses "espiões" estivessem repassando a identificação dos carros com rotativos irregulares ou sem o talão para os órgãos de trânsito aplicarem as multas.

 

Um estudante de 22 anos que já trabalhou fazendo a pesquisa e que pediu sigilo da sua identidade explicou que, embora anotem as placas dos veículos, os pesquisadores não as repassam adiante para que o motorista seja multado. Porém, segundo ele, os dados levantados servem de base para que os gestores dêem uma atenção maior a determinados locais.

 

 

"Quando um pesquisador anota a placa de um veículo, ainda que ele esteja com o rotativo irregular, não significa que o motorista será multado. O que acontece é que os órgãos reúnem o resultado de todas as pesquisas para definir as fiscalizações", disse.

 

A assessoria de imprensa da BHTrans confirmou a informação. Segundo a empresa, o intuito da pesquisa é aumentar as vagas de rotativos na cidade, porém, a assessoria de imprensa admitiu que o resultado final pode ser usado para direcionar a fiscalização e coibir as infrações.

 

 

Por meio de nota, a BHTrans afirmou que o resultado da pesquisa faz uma análise de todo o contexto dos rotativos na cidade. "Se há um índice alto de descumprimento da sinalização, as informações são encaminhadas para a Unidade Integrada de Trânsito (BHTrans, Polícia Militar e Guarda Municipal), que empenha os agentes para realizar as ações de fiscalização", afirma a nota.

 

Ainda de acordo com a empresa, o estudo investiga a necessidade de remanejar ou criar novas vagas ou postos para a venda de estacionamentos rotativos. Atualmente, a capital tem 91.701 vagas de estacionamento rotativo em 795 quarteirões.

 

 

Vagas. A BHTrans também ressaltou que o resultado de uma dessas pesquisas mostrou a necessidade da criação de novas vagas de estacionamento rotativo na região Oeste de Belo Horizonte. Porém, a empresa afirmou que ainda está sendo feito um estudo para saber quais os bairros serão contemplados e quantas vagas serão necessárias.

 

 

 

 

 

 

O TEMPO

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.