segunda-feira, 30 de Março de 2015 10:34h

Pesquisa mostra o perfil do consumidor de pescado em Minas Gerais

Estudo foi elaborado pela Diretoria da Aquacultura e Pesca da Secretaria da Agricultura

Qual é o perfil do consumidor mineiro de pescado, seus hábitos e preferências na hora da compra e na maneira de consumir? Para responder essas perguntas e traçar um perfil fidedigno do consumidor de pescado no estado, a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), por meio da Diretoria da Aquacultura e Pesca, realizou, no primeiro trimestre de 2015, uma pesquisa estadual na qual foram analisados 2,8 mil questionários, respondidos voluntariamente, abrangendo diferentes regiões.

Segundo a diretora de Aquacultura e Pesca da Seapa, Ana Carolina Castro Euler, o objetivo da pesquisa é dinamizar as ações voltadas para o fortalecimento da cadeia produtiva do pescado em Minas. “Conhecendo o consumidor, temos condições de subsidiar as ações de Governo que promovam o desenvolvimento sustentável nas dimensões tecnológica, econômica e ambiental” explica.

A pesquisa evidenciou que os mineiros preferem carne bovina (49%) como fonte de proteína nas refeições, seguida por frango (22%) e pescado (20%). Quanto à frequência de consumo de peixe ou produtos da Aquacultura 47% consomem, pelo menos, uma vez na semana, predominantemente em casa, com preferência pelos produtos ofertados na forma de filés. Adquirem produtos que custam entre R$ 15 e R$ 25, com tendência aos pescados frescos frente aos congelados, sendo indiferentes à origem (extrativismo ou criatório).

Em restaurantes, os consumidores consideram que o custo, a forma de preparo e apresentação dos pratos são os principais fatores limitantes para o aumento da frequência de consumo e demonstraram interesse em saber qual peixe/espécie estão consumindo. O jovem como consumidor atual e do futuro acompanha a tendência mencionada, ressaltando que os restaurantes se destacam como os locais frequentes de consumo deste público específico.

“A tilápia e o camarão são os principais produtos consumidos. Para as espécies de peixes nativos, o surubim foi o mais mencionado. Já o salmão foi o peixe importado de maior preferencia, seguido pela merluza e bacalhau” analisa a diretora Ana Euler. Algas (7%) e rã (4,5%) também foram mencionadas pelos entrevistados e se sobressaíram entre os consumidores das regiões Central e Metropolitana de Belo Horizonte.

O período da quaresma foi citado como a data mais importante para o consumo, portanto a mais atrativa para o comércio de produtos aquícolas. As férias de verão na praia também apareceram como período sugestivo para o consumo de pescados.

Particularidades regionais

De acordo a diretora Ana Euler, a pesquisa apontou algumas particularidades observadas por regiões. A preferência pelo consumo de proteína bovina é unânime em Minas. Nas Regiões Sul, Triangulo Mineiro, Alto Paranaíba e Rio Doce, a preferência pelo consumo de peixes e/ou produtos da aquacultura ficou em segundo lugar.
As Regiões da Zona da Mata, Jequitinhonha/Mucuri e Norte apresentaram resultados semelhantes para pescado e frango, empatados em segundo lugar. Na Região Centro-Oeste, a proteína de pescado apareceu superior à carne suína e inferiores à carne de frango. Nesta região, o preço foi citado como um dos fatores que limita o consumo do pescado nas refeições. Sobre a preferencia quanto à origem do produto, as regiões do Jequitinhonha/Mucuri, Norte e Rio Doce sinalizaram pela preferencia para consumo de peixes provenientes da pesca frente aos produzidos (aquacultura).

A Região Central de Minas foi a mais participativa na pesquisa, respondendo por 60% dos entrevistados, com destaque para a região Metropolitana de Belo Horizonte que contribuiu com 30% dessas respostas. Em todo o Estado, a maior participação foi de consumidores, homes e mulheres, com idade entre 31 a 50 anos, que recebem entre 4 e 6 salários mínimos e com ensino superior completo.

Como escolher peixe fresco de qualidade

O consumidor deve ficar atento às seguintes características:

- Olhos transparentes, brilhantes e salientes;

- Cheiro característico e não-repugnante;

- Brânquias avermelhadas, brilhantes, sem viscosidade (parte interna);

- Pele firme, úmida e sem manchas;

- Escamas brilhantes aderidas à pele

Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais – Assessoria de Comunicação Social

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.