quinta-feira, 14 de Junho de 2012 09:38h Atualizado em 14 de Junho de 2012 às 09:53h. Gazeta do Oeste

Pesquisa sobre sustentabilidade será feita em MG

O governador Antonio Anastasia participou, nesta quarta-feira (13), no Palácio Tiradentes, da cerimônia de anúncio de parceria entre a Dow Chemical Company e a The Nature Conservancy (TNC)

O governador Antonio Anastasia participou, nesta quarta-feira (13), no Palácio Tiradentes, da cerimônia de anúncio de parceria entre a Dow Chemical Company e a The Nature Conservancy (TNC), organização não governamental dedicada à conservação de recursos naturais, para um trabalho inédito em Santa Vitória, no Triângulo Mineiro. A TNC mantém, em parceria com a japonesa Mtsui, o projeto de construção de uma planta integrada para produção de etanol e de plástico, que deverá entrar em operação em 2013, e receberá investimentos de R$ 2,4 bilhões, com a geração de 2,6 mil empregos diretos e indiretos. A cerimônia contou com a presença do presidente da Dow para América Latina, Pedro Emílio Sanchez.

 

A ideia da parceria é incorporar cada vez mais o valor da natureza e do meio ambiente ao mundo dos negócios. Outro destaque é que os resultados alcançados serão compartilhados publicamente, para que outras empresas, o setor público e outros grupos de interesse possam utilizá-los de forma bastante prática.

 

O detalhamento do projeto foi feito pelo diretor do Programa de Conservação da Floresta Atlântica e Savanas Centrais da TNC, João Campari, e pelo vice-presidente de Sustentabilidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança da Dow, Neil Hawkins.

 

O governador Anastasia afirmou que, pelo caráter inovador do projeto, Minas Gerais chamará a atenção da comunidade internacional, por aliar produção e sustentabilidade.

 

“Nós teremos os olhos do mundo voltados para Santa Vitória porque será uma experiência singular que será desenvolvida no Estado. Estamos entusiasmados com essa parceria da Dow com a TNC que se desdobrará em nosso território”, disse Anastasia.

 

Plástico Verde

 

Uma usina integrada para produção de cana de açúcar, etanol e plástico, localizada em Santa Vitória, Triângulo Mineiro, em fase de implantação, vai se transformar em uma espécie de laboratório para que cientistas da Dow e da TNC pesquisem os impactos da produção na natureza e, ao mesmo tempo, mensurar como o meio ambiente pode ser usado para o incremento dos negócios de maneira sustentável. A TNC e a Dow usarão modelos científicos, mapas e imagens de satélite de alta resolução para analisar a biodiversidade e os serviços ambientais e aplicar estas ferramentas no planejamento estratégico da Dow. Serviços ambientais são, por exemplo, o controle da erosão feito pelas montanhas ou o sequestro de carbono e controle de enchentes feitos pelas florestas.

 

Segundo o diretor da TNC, João Campari, Santa Vitória foi escolhida por ser uma região que oferece as condições necessárias para desenvolver o projeto, com disponibilidade de terras agrícolas, aspectos agrícolas e ambientais, logística, boa infraestrutura e acesso à mão de obra qualificada.

 

Este é o segundo projeto desenvolvido entre as empresas e o primeiro em solo brasileiro. Do plano global de investimentos de US$ 10 milhões da Dow, em parceria com a TNC, ao longo de cinco anos, um terço será alocado em Santa Vitória. “Queremos uma natureza melhor do que está hoje, ao mesmo tempo que a empresa vai avançar na produção de cana e etanol para o polietileno (plástico)”, disse o vice-presidente da Dow, Neil Hawkins.

 

Modelo para o Brasil

 

Antonio Anastasia considera “revolucionária” a perspectiva de Minas Gerais produzir um tipo de plástico a base de cana de açúcar, evitando o uso de insumos não renováveis, como os derivados do petróleo.

 

“É praticamente uma nova alvorada na questão não só de sustentabilidade, mas também no crescimento de novos produtos para o mundo, porque, de fato, transformar a cana-de-açúcar não só naqueles produtos tradicionais que estamos acostumados, mas também servindo de base para uma verdadeira forma de plástico, em uma linguagem mais singela e objetiva, é algo revolucionário”, completou.

 

A secretária de Desenvolvimento Econômico, Dorothea Werneck, lembrou que esse modelo de negócios coloca o Estado em destaque mundial, no momento que se realiza a Rio+20, a conferência da ONU sobre desenvolvimento sustentável. “Isso mostra como estamos incorporando a questão da sustentabilidade junto com desenvolvimento e produção, respeitando a comunidade local e o meio ambiente”, disse.

 

Trabalho de campo

 

O projeto desenvolvido entre a Dow e a TNC contribuirá para que Minas Gerais seja precursor em pesquisas de campo que levam em conta o valor e os benefícios proporcionados pela natureza nas decisões de negócios.

 

Exemplo: como florestas saudáveis e intactas podem, naturalmente, limpar a água e o ar, além de criar habitats para a fauna local; e como a água potável saudável garante os recursos necessários tanto para a Dow quanto para as comunidades do entorno.

 

Além disso, as organizações vão trabalhar em conjunto para avaliar as oportunidades de restauração florestal para toda a região, a fim de atender às exigências do Código Florestal Brasileiro e, ao mesmo tempo, maximizar os benefícios ambientais para a Dow, as comunidades e o meio ambiente.

 

Também participaram da solenidade os secretários Adriano Magalhães (Meio Ambiente), Narcio Rodrigues (Ciência e Tecnologia), Carlos Melles (Transportes e Obras Públicas), Gustavo Magalhães (Secretário-Geral do Governador), o prefeito de Santa Vitória, Antônio Celso Andrade Domingues.

 

 

 

 

Agência Minas

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.