terça-feira, 29 de Dezembro de 2015 13:25h Agência Minas

Pesquisadores da Funed desenvolvem biosensor para controle de alimentos

A tecnologia é nova no Brasil e vai ajudar no controle da adulteração de produtos cárneos

A Fundação Ezequiel Dias (Funed), em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais, a Universidade de Laval em Quebec, no Canadá, e com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) desenvolveu o protótipo de um biosensor para controle de alimentos, em especial de carnes adulteradas. Ainda não existe uma previsão para o lançamento da ferramenta, que depende de financiamento para produção em larga escala.

A tecnologia presente no biosensor vai permitir que as autoridades sanitárias e produtores de carne processada possam controlar a qualidade dos alimentos. “A importância desse aplicativo é imensa. Fizemos vários testes em que detectamos que, muitas vezes, a descrição no rótulo não confere com o produto. São fraudes, principalmente no tipo de carne descrita no rótulo. Por isso, o biosensor ajudará no controle de qualidade e, como consequência, na saúde do consumidor”, explica o pesquisador da Funed, Luiz Guilherme Heneine.

 

Entenda o funcionamento do equipamento

Os biosensores são sistemas capazes de detectar a presença ou ausência de uma substância e enviar esta informação através de energia elétrica ou óptica para circuitos eletrônicos, que as amplificam, permitindo aos operadores dos equipamentos receberem a informação para posterior análise. Bioreceptores definem que tipo de material (DNA, anticorpos e enzimas ou células ou micro-organismoso) o aparelho é capaz de identificar.

Segundo Luiz Guilherme, o produto final será um equipamento pequeno, portátil e de fácil manuseio que possa fornecer resultados rapidamente, sem margem de dúvidas. O aparelho desenvolvido pela Funed é capaz de mostrar o tipo da carne - equinos, bovinos, caprinos, suínos, aves ou peixes - e a quantidade que consta no produto. Desta forma, o consumidor ou produtor poderá atestar a procedência da carne.

O equipamento pode realizar cerca de 300 análises com a utilização de apenas um único chip. Esse dispositivo é o único no mercado com a capacidade de realizar diversos testes simultâneos, tanto para fins de identificação de tipos de carne quanto para inspeção sanitária. No Brasil, não existe tecnologia com tal disponibilidade. A ferramenta pode ser utilizada em qualquer local, pois não exige estrutura complexa e nem funcionários capacitados.

O biosensor poderá ser adquirido, principalmente, por entidades e órgãos fiscalizadores, como o Ministério da Agricultura, a Anvisa e o Procon. Além de ser de interesse também das empresas de insumos diagnóstico, produtores de carne, frigoríficos, universidades, entre outros.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.