sexta-feira, 16 de Janeiro de 2015 10:30h Jotha Lee

População de São Sebastião do Oeste enfrenta falta de água há dez dias

Copasa não sabe quando abastecimento na cidade será normalizado

Os 6.344 moradores da vizinha São Sebastião do Oeste entram hoje no décimo dia de falta de água na cidade. O abastecimento está prejudicado desde o dia 7, quando uma bomba subterrânea foi danificada, o que provocou a redução em mais da metade do volume de água fornecido à população. O prefeito Dorival Faria Barros (PMDB) disse ontem à Gazeta do Oeste que a situação está muito difícil e os moradores das partes mais altas estão ficando praticamente sem abastecimento.
A Copasa, concessionária do serviço no município, confirma o problema. Em nota, a companhia admitiu o desabastecimento e informou que “uma equipe técnica está em São Sebastião do Oeste para realizar a troca de uma bomba subterrânea de um dos poços artesianos que abastecem a cidade.”
A companhia informou ainda que não tem previsão de quando o fornecimento será normalizado. “Desde o dia 7 de janeiro a Companhia opera o sistema local por meio de um regime de manobras que visa a abastecer toda a população, de maneira alternada. O abastecimento será normalizado tão logo a nova bomba seja instalada. A previsão de conclusão do serviço dependerá do grau de dificuldade encontrado no local pela equipe técnica”, informou a nota da Copasa.

 

RESERVATÓRIO
O prefeito de São Sebastião do Oeste garantiu que o escalonamento no abastecimento, com o sistema de fornecer água alternadamente para as regiões da cidade, não está surtindo o efeito necessário. “Em alguns locais a água chega sem pressão ou nem chega e muitos moradores estão passando por muitas dificuldades. Estamos mantendo contatos permanentes com a Copasa para que o sistema seja recuperado o mais rápido possível”, afirmou.
Para Dorival, os técnicos da Copasa afirmaram que o abastecimento deve ser normalizado no próximo sábado. “Fui informado pelos técnicos que até sábado a situação estará normal”, disse ele. O problema ocorrido com a bomba subterrânea levantou outra questão para a qual o prefeito quer solução em médio prazo.
São Sebastião do Oeste tem apenas um reservatório de água tratada da Copasa. Segundo ele, o convênio de concessão do serviço de abastecimento prevê a construção de um segundo reservatório que, se já estivesse em operação, reduziria o tamanho do problema. “O convênio prevê a construção de novo reservatório que deveria ter sido iniciado em 2009 e até agora a Copasa não tomou nenhuma iniciativa para cumprir essa parte do contrato”, criticou.
O chefe do Executivo de São Sebastião do Oeste diz que nesse momento a prioridade é resolver a grave crise no abastecimento. “Depois disso vamos conversar com a Copasa para que o segundo reservatório seja construído em médio prazo, pois esta será a solução para problemas semelhantes, especialmente para os moradores que residem nas partes mais altas da cidade”, finaliza Dorival.

 

Crédito: Divulgação

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.