terça-feira, 19 de Maio de 2015 13:45h

Prazo para vacinação do gado contra febre aftosa termina em duas semanas

Vacinação em dia garante status para venda dos produtos de origem animal no mercado externo

Produtores rurais de Minas precisam estar atentos ao prazo para vacinar os rebanhos de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa, que termina em 31 de maio. O alerta é do gerente de Defesa Sanitária Animal do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), Bruno Rocha de Melo, lembrando que a vacinação é a única forma de proteger os animais contra a doença. O estado de Minas Gerais é reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como área livre de febre aftosa com vacinação, status que é fundamental para que os produtores comercializem os produtos de origem bovina como  carne, leite e derivados no mercado interno e, também, para o exterior.

Excepcionalmente nesta etapa de vacinação,  o IMA está permitindo que os produtores regularizarem o cadastro quantitativo dos animais de sua propriedade, tendo em vista perdas ocorridas nos rebanhos prejudicados pela seca. Essa regularização é feita de acordo com a  Resolução Conjunta das secretarias de Estado da Fazenda (SEF) e de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa).

Esse ajuste poderá ser realizado sem ônus fiscal para o produtor até 31 de maio de 2015.  Ele pode realizar quatro tipos de ajustes sendo: o aumento  do plantel  independente do percentual; a diminuição de bovinos machos acima de três anos em até  5%  ; a diminuição de bovinos machos abaixo de três anos em até 12% e  a  diminuição do número de  fêmeas em qualquer idade até 12%.  Para usufruir dessa prerrogativa  o produtor , ou seu procurador, deverá declarar sua vacinação em um dos escritórios do IMA.

Bruno Melo ressalta que o IMA tem investido em ferramentas que facilitem a vida do produtor. Desde novembro de 2014 a Declaração Eletrônica de Vacinação contra a febre aftosa pode ser feita pelos produtores por meio do site www.ima.mg.gov.br. Para tanto, é necessário que o produtor adquira suas vacinas e tenha em mãos a nota fiscal de compra. O número desta nota fiscal será sua senha para acesso ao sistema do IMA. Ao fazer a Declaração Eletrônica, o produtor deverá também atualizar informações pessoais e da propriedade, como endereço para correspondência e telefones de contato.

O gerente de Defesa Sanitária do IMA reforça que “é fundamental que o produtor conserve de forma adequada as vacinas adquiridas, mantendo-as em caixa de isopor com gelo, numa temperatura entre dois e oito graus centígrados”. O produtor que deixar de imunizar seu plantel poderá ser penalizado com multa de R$ 68,07 por animal não vacinado, diz. Uma segunda etapa de vacinação será realizada em novembro deste ano.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.