segunda-feira, 14 de Março de 2016 10:38h Atualizado em 14 de Março de 2016 às 10:45h. Agência Minas

Pré-vestibular criado por alunos da Fundação João Pinheiro aprova para cursos superiores em 2016

Batizado de Educar, cursinho é oferecido de forma gratuita; professores e monitores são voluntários no processo

Uma iniciativa de estudantes do Curso de Administração Pública da Fundação João Pinheiro (FJP) tem ganhado destaque na instituição. Inclusive, por causa dela, sete pessoas vindas de escolas públicas e que não poderiam pagar por um cursinho pré-vestibular foram aprovadas para este ano na UFMG, PUC Minas, UNA e nas Faculdades Pitágoras. O projeto, que teve início em 2014, foi batizado de cursinho Educar.

Oferecido de forma gratuita, o pré-vestibular abre uma turma por ano, com aulas de física, química, biologia, história, geografia, língua portuguesa, literatura, inglês, redação, álgebra e geometria. Professores e monitores são voluntários e, em sua maioria, estudantes da FJP e da UFMG. A iniciativa também foi abraçada pelo Núcleo Social da Consultoria João Pinheiro Jr, e é apoiada pela Gerência de Extensão e Relações Institucionais (Geri) da Escola de Governo da FJP.

 

 

 

Novas oportunidades

Pâmela Carla de Souza, de 20 anos, foi aprovada no curso de Gestão Pública da UFMG. Já graduada em Gestão de Recursos Humanos, ela acredita que o cursinho Educar foi o diferencial para sua aprovação em 2016. “Há muito tempo não tinha contato com as matérias requeridas no Enem. Sem o cursinho, não creio que teria conseguido passar agora”, afirma.

Vindo da Escola Estadual Professor Caetano Azeredo, Diego Aguilar, 20 anos, foi liberado de cursar o 3º ano pela nota que alcançou no Enem em 2013. Matriculado no Educar em 2015, foi aprovado em dois cursos superiores. “Fiquei dois anos sem estudar, até saber o que realmente queria para a minha vida. Corri atrás do tempo perdido, dando início aos estudos no cursinho, o que me proporcionou uma boa base para o vestibular”, conta. “Eu estava atrasado, pelo tempo em que fiquei parado, mas me esforcei muito e os professores do Educar foram essenciais nesse processo. Estou cursando o primeiro período de geografia na PUC Minas neste semestre e, no segundo semestre, ingresso em educação física, na UFMG”, conta.

 

 

A história do Daniel Mourão, de 20 anos, ex-aluno da Escola Estadual Francisco Menezes Filho, se assemelha à de Diego. Ele foi aprovado em educação física, na UFMG, e engenharia civil na PUC Minas.  “No cursinho, tive professores incríveis que me ajudaram muito a conseguir essa aprovação”, observa.

Além de Pâmela, Diego e Daniel, a aluna do Educar Luana Turibio Marques foi aprovada em Estética, no Centro Universitário UNA, e em Engenharia de Controle e Automação, nas Faculdades Pitágoras. No mês de janeiro, já haviam sido aprovados os alunos Nathalia Caroline Soares de Macedo, em direito na UFMG; Ana Luisa Dornelas, em pedagogia, na UFMG e na Uemg; e Ryan Castro, em design gráfico, na Uemg, e letras na UFMG.

 

 

Vagas

Para 2016, as 35 vagas oferecidas pelo Educar já foram preenchidas, mas há um cadastro de reserva para casos de desistências ao longo do ano. Os interessados devem se inscrever pelo endereço [email protected]As aulas e monitorias começaram no dia 22 de fevereiro e vão até um dia antes das provas do Enem.

 

 

Concurso público

O Educar também passou a oferecer, em 2015, um curso preparatório específico para a segunda etapa do concurso público conjunto da  Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão de Minas Gerais (Seplag) e Fundação João Pinheiro para provimento de cargos da carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental (EPPGG). Com duração de dois meses, e oferta de 35 vagas, o curso conta com cinco professores de matemática e cinco de história (disciplinas cobradas nas provas dissertativas do concurso) e aulas de segunda a sexta-feira, das 19h às 22h. A próxima turma será aberta logo após as provas do Enem 2016.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.