quarta-feira, 14 de Março de 2012 09:37h Atualizado em 14 de Março de 2012 às 10:28h. Marina de Morais

Procon registra média de uma reclamação por dia envolvendo cartões de crédito

De acordo com Thiago Pardini, diretor do Procon, são registradas cerca de 20 reclamações na instituição relativas ao uso de cartões de crédito. Segundo ele, os números sugerem uma média de 1 reclamação por dia.
Thiago conta que a maior parte dos casos ocorre por falta de maldade do consumidor, que deixa seu cartão e demais dados expostos de forma insegura. Ele explica que hoje, para realizar compras pela internet, é necessário utilizar apenas esses dados. Assim, um golpista consegue fazer as compras sem mesmo possuir o cartão em mãos. Em contrapartida, na loja física a senha do cartão é solicitada.
Thiago ainda reforça que este tipo de ação não é considerado clonagem do cartão, mas sim uma utilização sem o conhecimento do consumidor. A clonagem do cartão acontece quando o golpista possui uma cópia do cartão e consegue utiliza-lo em lojas físicas. Thiago conta que há casos de cartões que foram utilizados no exterior, mas os titulares nunca saíram de Divinópolis.
O diretor também explica que existem sites mascarados, em que o consumidor realiza uma compra com o cartão, então o site retém os seus dados e os utiliza para outros fins. O site funciona como uma espécie de isca e as compras não são concretizadas.
Thiago argumenta que existem dois tipos de golpes com o cartão de crédito, seja clonagem ou utilização. No primeiro, o golpista realiza várias compras até estourar o limite do cartão e depois desaparece. Já no segundo, o golpista realiza pequenas compras, parcelas. Então, se o titular possui uma movimentação muito grande do cartão, as compras passam despercebidas.
Há ainda os casos em que os cartões são roubados ou perdidos. O diretor explica que nesses casos o consumidor deve ligar para a companhia do cartão de crédito e solicitar o bloqueio imediato e a segunda via do cartão. Caso o cliente peça o cancelamento e outras pessoas realizem compras com o cartão, as parcelas serão contabilizadas na próxima fatura de toda forma.
Para evitar a utilização indevida ou clonagem do cartão de crédito, Thiago diz que o consumidor deve ficar atento a todas as compras realizadas, para que ele saiba o que comprou quando a fatura chegar. Caso verifique que não comprou algum item constatado não documento, ele deve ligar na companhia do cartão e pedir o cancelamento da compra. Se o atendimento não for bem sucedido, o titular deve comparecer ao Procon, com todos os documentos relativos ao cartão e compras em mãos, para que o valor da compra seja restituído.

Estornos

Thiago diz que em casos de compras pela internet, o consumidor tem até 7 dias para desistir. Assim, a empresa não pode cobrar pelo produto. Caso o produto venha com defeito, o estorno deve ser solicitado, através de contato com a própria loja. Caso haja problemas nas duas situações, o consumidor deverá recorrer ao Procon.
O diretor ainda alerta os consumidores sobre as empresas golpistas na internet, em que não se tratam de empresas reais. Caso o consumidor realize uma compra e o valor for cobrado sem que a mercadoria chegue, não há muito que fazer, pela falta de idoneidade da empresa. Por isso, Thiago diz que os consumidores devem ficar atentos para a segurança dos sites e sua fama.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.