terça-feira, 2 de Junho de 2015 10:16h

Produção industrial do país apresentou recuo de 1,2% em abril de 2015

Em abril de 2015, a produção industrial nacional recuou 1,2% frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, terceiro resultado negativo consecutivo, acumulando nesse período perda de 3,2%

Na série sem ajuste sazonal, no confronto com igual mês do ano anterior, o total da

indústria apontou redução de 7,6% em abril de 2015, décima quarta taxa negativa consecutiva nesse tipo

de comparação. A taxa anualizada, indicador acumulado nos últimos doze meses, com o recuo de 4,8% em

abril de 2015, manteve a trajetória descendente iniciada em março de 2014 (-2,1%) e assinalando o

resultado negativo mais intenso desde dezembro de 2009 (-7,1%).

A redução de 1,2% da atividade industrial de março para abril mostrou recuos nas quatro grandes

categorias econômicas e em 19 dos 24 ramos pesquisados. Entre os setores, as principais influências

negativas vieram de veículos automotores, reboques e carrocerias (-2,5%) e perfumaria, sabões,

detergentes e produtos de limpeza (-3,3%), com o primeiro assinalando o sétimo mês seguido de queda na

produção e acumulando no período recuo de 21,9%. Por outro lado, entre os cinco ramos que ampliaram a

produção nesse mês, destaque para as indústrias extrativas e de coque, produtos derivados do petróleo e

biocombustíveis, ambos com avanço de 1,5%.

Entre as grandes categorias econômicas, ainda em relação a março, bens de capital (-5,1%)

mostrou a redução mais acentuada e a terceira taxa negativa consecutiva, acumulando nesse período

queda de 12,7%. Os setores produtores de bens de consumo semi e não-duráveis (-2,2%) e de bens de

consumo duráveis (-1,8%) também registraram resultados negativos mais intensos do que a média nacional

(-1,2%), com ambos apontando o sétimo mês seguido de queda na produção e acumulando nesse período

perdas de 8,4% e de 15,3%,respectivamente. Na comparação com igual mês do ano anterior, o setor industrial mostrou queda de 7,6% em abril de

2015, com perfil generalizado de resultados negativos nas quatro grandes categorias econômicas, em 23

dos 26 ramos, em 66 dos 79 grupos e em 69,7% dos 805 produtos pesquisados.

Por outro lado, ainda na comparação com abril de 2014, entre as três atividades que aumentaram a

produção, o principal impacto foi observado em indústrias extrativas (11,1%), impulsionado, em grande

parte, pelos avanços nos itens minérios de ferro pelotizados e óleos brutos de petróleo.

Em síntese, o setor industrial, em abril de 2015, volta a mostrar um quadro de menor ritmo produtivo,

expresso não só no terceiro resultado negativo consecutivo na comparação com o mês imediatamente

anterior, mas também no perfil disseminado de taxas negativas nesse mês, já que todas as grandes

categorias econômicas e a maior parte das atividades apontaram redução na produção. Vale destacar que,

com o resultado de abril de 2015, o total da indústria encontra-se 12,3% abaixo do nível recorde alcançado

em junho de 2013. Os principais resultados estão na tabela 1, a seguir.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.