terça-feira, 23 de Fevereiro de 2016 10:49h Pollyanna Martins

Professores vão fazer paralisação mesmo após promessa do governo

Em reunião com representantes do SindUte/MG, o Governo prometeu enviar um projeto para o Legislativo Estadual até sexta-feira para pagar o Piso Salarial para a classe

Os professores de Minas Gerais vão realizar a paralisação nos dia 15, 16 e 17 de março, convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), mesmo após o Governo do Estado ter prometido enviar ao Legislativo Estadual, até sexta-feira (26), um projeto de lei que garante a política do Piso Salarial em Minas Gerais. A promessa foi feita na última sexta-feira (19), durante uma reunião entre membros do SindUte/MG com os Secretários-Adjuntos de Planejamento e Gestão, Wieland Silberschneider, de Governo, Francisco Eduardo Moreira, e da Educação, Antônio Carlos Pereira. 

 

 


De acordo com o SinUte, além de cobrar do  governo o cumprimento do acordo assinado, em 15 de maio de 2015, bem como da Lei Estadual 21.710/15, que garantiu a política do Piso Salarial em Minas Gerais, o sindicato cobrou também  a publicação das promoções na carreira, pois o governo havia suspendido as promoções em função de ter atingido o limite prudencial da Lei de Responsabilidade fiscal desde o final do ano passado. As representantes do sindicato solicitaram ainda que a perícia médica na educação fosse suspensa até que os problemas sejam resolvidos, e o projeto de lei que trata do assunto seja aprovado na Assembleia Legislativa.  O Sind-UTE/MG relatou que os designados e que eram trabalhadores da Lei 100 que já começaram a trabalhar estão sendo dispensados ao serem declarados inaptos pela perícia médica. O sindicato cobrou também o pagamento do salário de janeiro dos servidores efetivados.

 

 


O governo atendeu todas as pautas reivindicadas pelo SindUte e garantiu que já está sendo elaborado um projeto de lei, que chegará ao Legislativo Estadual até a próxima sexta-feira (26), tratando sobre o Piso Salarial, pois é necessária uma lei específica para essa matéria. Quanto às publicações de promoções nas carreiras dos professores, o governo disse que serão retomadas e, com isso, a carreira dos profissionais da educação voltará a andar. A coordenadora-geral do SinUte/MG, Beatriz Cerqueira, espera que a matéria seja apreciada e votada com agilidade na Assembleia Legislativa, pois o assunto é de interesse de um grande número de servidores do Estado.  “Não há o que discutir. Tudo já foi amplamente debatido, negociado e acordado. Agora é o governo fazer sua parte, cumprir o que assinou”, ressalta.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.