terça-feira, 29 de Abril de 2014 07:40h

Programa oferece tratamento à população hipertensa da Zona da Mata

Unidades localizadas em Juiz de Fora, Muriaé e Viçosa somam mais de 30 mil atendimentos realizados.

Desde 2010, a Zona da Mata mineira conta com uma importante ferramenta no tratamento aos pacientes hipertensos da região, os Centros Hiperdia. Localizados em Juiz de Fora, Muriaé e Viçosa, os locais oferecem atendimento a pacientes com hipertensão e diabetes de 57 municípios. Juntas, as unidades já realizaram mais de 30 mil atendimentos.

A gerente do Centro Hiperdia em Viçosa, Anna Carolina De Lazzari, destaca os casos da doença que devem ser encaminhados para o local.  “Recebemos pacientes advindos da Atenção Primária de Viçosa e microrregião e que possuem suspeita de hipertensão arterial secundária, hipertensão arterial resistente, hipertensos com alto grau de risco cardiovascular e doença hipertensiva específica da gravidez”, relata.

José dos Reis Martins é paciente da unidade desde outubro de 2013. Hipertenso e diabético, ele destaca o atendimento mais humanizado a que hoje tem acesso. “É acima da média. Não é ótimo, é excelente. A parte humanística e a diversidade de profissionais que nos atendem são muito importantes. Além de cardiologista, sou atendido por nutricionista, psicólogo, endocrinologista. O meu controle melhorou muito e estendeu a periodicidade com que preciso retornar às consultas”, conta. 

O Hiperdia de Viçosa atende a nove cidades e a gerente Anna Carolina reforça a importância da parceria com os municípios, “enviando pacientes, entrando em contato quando possuem dúvidas sobre os encaminhamentos e critérios para o Centro”.

Atenção ao paciente

A gerente do Centro Hiperdia em Juiz de Fora, Tatiane Paiva, também aponta como diferencial a atenção ao paciente. “Não fornecemos apenas o atendimento, trabalhamos também o letramento em saúde, em que ensinamos o paciente a entender o que foi prescrito. Muitos deles não sabem ler, então orientamos sobre como podem identificar o medicamento, a dosagem e os horários. Oferecemos um cartão de atenção farmacêutica, bem didático, para auxiliá-los”, diz.

O Centro, que atende à população de 37 municípios, também desenvolve semanalmente consultas coletivas entre os pacientes de retorno e com a presença de uma equipe multidisciplinar. “Nesses momentos são compartilhadas as experiências. Percebemos que funciona como uma motivação para os pacientes”, completa.

No Centro Hiperdia de Muriaé, que atende a 11 cidades, a atenção ao paciente também é citada como diferencial. “Desde a inauguração da unidade é visível a mudança que houve no comprometimento com o paciente”, afirma a coordenadora Simone Moreira Féres. O local foi o último a iniciar as atividades na Zona da Mata, em julho de 2013, e já realizou mais de 1.400 atendimentos. 

Municípios atendidos

A unidade de Juiz de Fora atende, além da própria cidade, Bicas, Descoberto, Guarará, Mar de Espanha, Maripá de Minas, Pequeri, Rochedo de Minas, São João Nepomuceno, Senador Cortes, Aracitaba, Oliveira Fortes, Santos Dumont, Andrelândia, Arantina, Belmiro Braga, Bias Fortes, Bocaina de Minas, Bom Jardim de Minas, Chácara, Chiador, Coronel Pacheco, Ewbanck da Câmara, Goianá, Liberdade, Lima Duarte, Matias Barbosa, Olaria, Passa Vinte, Pedro Teixeira, Piau, Rio Novo, Rio Preto, Santa Bárbara do Monte Verde, Santa Rita de Jacutinga, Santana do Deserto e Simão Pereira.

O Hiperdia em Muriaé oferece tratamento para pacientes de Antônio Prado de Minas, Barão de Monte Alto, Eugenópolis, Miradouro, Miraí, Patrocínio de Muriaé, Rosário da Limeira, São Francisco do Glória, São Sebastião da Vargem Alegre e Vieiras, além de Muriaé.  Já o Centro de Viçosa atende à população da cidade e de Araponga, Cajuri, Canaã, Paula Cândido, Pedra do Anta, Porto Firme, São Miguel do Anta e Teixeiras.

Hiperdia no Estado

Criado pelo Governo de Minas em 2007 e sob a coordenação da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), o Centro Hiperdia integra o Programa Estadual de Atenção ao Portador de Hipertensão e Diabetes. Além das três unidades da Zona da Mata, outros 13 municípios no restante do Estado possuem Centros: Brasília de Minas, Campo Belo, Diamantina, Itabira, Itabirito, Janaúba, Jequitinhonha, Patos de Minas, Patrocínio, Pirapora, Santa Luzia, Santo Antônio do Monte e Teófilo Otoni. O recurso para implantação dos Centros totaliza R$ 15 milhões. Já os investimentos com manutenção, apenas em 2013, foram de R$ 20 milhões.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.