sábado, 25 de Abril de 2015 05:40h Atualizado em 25 de Abril de 2015 às 05:45h.

Projeto Astrocultura no Parque da Serra do Rola Moça é boa opção de lazer neste sábado

Evento oferece observação do céu e corpos celestes e vai discutir a desconhecida poluição luminosa

O Parque Estadual da Serra do Rola Moça, em parceria com a organização Astrocultura, realiza amanhã, dia 25, o evento “Astrocultura na Serra do Rola Moça”.

Das 17h às 20h, os participantes terão a oportunidade de fazer a observação de vários corpos celestes como: lua, estrelas, planetas, satélites, entre outros, por meio de telescópios profissionais e com a orientação de estudiosos de astronomia.

Segundo a educadora ambiental do parque Carolina Alvarenga, o encontro é divertido e ao mesmo tempo pedagógico “O evento é aberto a pessoas de todas as idades, famílias com crianças, grupo de amigos e casais, que são muito bem vindos para observar e aprender sobre o céu e corpos celestes”, explica.

Haverá ainda uma palestra no auditório do parque sobre conceitos básicos de astronomia entre eles, a poluição luminosa, causada pelas luzes artificiais. O tema foi escolhido porque a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) proclamou 2015 como o Ano Internacional da Luz.

Poluição luminosa

Segundo o professor o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG), Leonardo Marques Soares, apoluição luminosa é pouco discutida. Ela é causada pela iluminação artificial inadequada.

Quando o foco da luz não é bem direcionado ao alvo que pretende clarear e está em grande quantidade pode atingir a atmosfera. Esses raios voltam para e atingem áreas que deveriam estar escuras.

 

Ele explica ainda que essa luz afeta o ciclo natural das vegetações, aumenta taxa de reprodução de insetos que transmitem doenças, interferem no comportamento dos animais de hábitos noturnos e até no relógio biológico do ser humano. É que alguns biomas e espécies da fauna precisam do escuro para viver. Sem contar a qualidade do sono e equilíbrio das funções vitais humanas.

Este fenômeno representa gasto de energia e maior consumo de recursos naturais, que por sua vez estão relacionados ao aumento dos impactos ambientais e ao aquecimento global.

O professor explica a escolha do Parque Estadual da Serra do Rola Moça: “ Lá é um lugar propício para observação, já que não possui a luminosidade artificial dos centros urbanos e proporciona as condições ideais para a observação astronômica”, diz.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.