quarta-feira, 4 de Maio de 2016 11:43h ALMG

Projeto de Lei em tramitação na ALMG trata de criação de conselho para a população LGBT

Matéria recebeu substitutivo na Comissão de Constituição e Justiça para criar diretrizes a política pública estadual.

Começou a tramitar na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) o Projeto de Lei (PL) 1.831/15, da deputada Marília Campos (PT), que cria o Conselho Estadual de Cidadania de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (CEC LGBT), e, ainda, altera a Lei Delegada 180, de 2011, de modo a incluir o conselho como órgão integrante da área de competência da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese). A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) concluiu, nesta terça-feira (3/5/16), pela constitucionalidade do projeto, na forma do substitutivo nº 1, que apresentou.

 

 

 

Na reunião da comissão no último dia 13 de abril foram distribuídas cópias (avulso) do projeto, a pedido do deputado Antônio Jorge (PPS). Na ocasião, o relator, Cristiano Silveira (PT), opinou pela aprovação da matéria sem alterações, mas mudou sua decisão e apresentou um novo texto em substituição ao original.

De acordo com o projeto, o Conselho Estadual LGBT seria um órgão colegiado de caráter consultivo, deliberativo e propositivo, que integraria a estrutura orgânica da Sedese. Suas finalidades, especificadas no artigo 2°, seriam propor políticas que promovam a cidadania do público LGBT no Estado, combater a discriminação, reduzir as desigualdades sociais, econômicas, financeiras, políticas e culturais, e, ainda, ampliar o processo de participação social dessa população.

 

 

 

O artigo 3° do projeto trata das competências do conselho. Entre elas, destaca-se a formulação de critérios e parâmetros para implementar políticas que assegurem a cidadania e o combate a qualquer tipo de fobia contra a diversidade sexual. Está prevista também a proposição de estratégias para avaliar e acompanhar, bem como participar do processo deliberativo de diretrizes das políticas de promoção da cidadania LGBT, fomentando a inclusão do recorte de orientação sexual e identidade de gênero nas políticas públicas estaduais.

 

 

 

Também são competências do conselho realizar estudos, debates e pesquisas sobre a situação da população LGBT, em articulação com outros órgãos e entidades públicas e privadas, nacionais e internacionais; acompanhar e propor medidas de proteção a direitos violados ou ameaçados de violação por discriminação sexual e identidade de gênero; e propor a identificação de sistemas de indicadores para estabelecer metas e procedimentos, com base nos índices identificados, a fim de monitorar a aplicação das atividades relacionadas com a promoção da cidadania LGBT.

 

 

 

De acordo com o projeto, o conselho será composto por membros do poder público e da sociedade civil, com mandato de dois anos, admitindo-se uma única recondução. Por fim, a proposição altera o inciso I do artigo 170 da Lei Delegada 180, de 2011, que dispõe sobre a estrutura orgânica da administração pública do Poder Executivo do Estado, para incluir o conselho entre os órgãos que integram a área de competência da Sedese.

Por fim, a proposição estabelece que a futura lei e o regimento interno do conselho serão regulamentados pelo Executivo.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.