quarta-feira, 10 de Dezembro de 2014 09:42h

Projeto estimula gentileza dentro e fora da sala de aula em Ouro Branco

Alunos do ensino médio interagiram com colegas, funcionários, professores e a comunidade do entorno a partir da iniciativa

A professora de Geografia do ensino médio Luciana Monteiro dos Santos queria ensinar aos seus alunos sobre gentileza. Mas não bastava desenvolver ações dentro de sala somente com os seus alunos, dos segundo e terceiro anos do ensino médio. Como vice-diretora da escola, ela quis usar seu trabalho para levar o tema para todos os alunos da Escola Estadual Cônego Luiz Vieira da Silva, de Ouro Branco, na região central do Estado.

Com atividades dentro e fora da sala de aula (e da escola) a ideia era envolver direta ou indiretamente todos os alunos dos ensinos fundamental e médio e levar a eles os valores ensinados no projeto. “A gente começou a observar atos de indisciplina mais recorrentes. Daí, pesquisei sobre projetos para melhorar isso, tanto na gestão quanto dentro de sala, e veio a ideia de desenvolver esse”, conta Luciana.

Os alunos do ensino médio, por exemplo, assistiram o documentário “Vida e Obra do Gentileza”, sobre o Profeta Gentileza, personalidade urbana carioca que se tornou conhecido a partir de 1980 por fazer inscrições sob um viaduto da cidade. Ele é autor da frase que dá nome ao projeto, “Gentileza gera gentileza”, e inspirou o trabalho desenvolvido na escola. Já no ensino fundamental, o filme foi diferente, mas a ideia a ser transmitida a mesma, “A corrente do bem”, que foi sugestão dos próprios alunos.

Segundo Luciana, entre as diversas ações desenvolvidas a que mais chamou a atenção dos alunos foi o Correio da Gentileza, uma espécie de Correio Elegante. “Preparamos uma caixinha de madeira trancada com cadeado e anunciamos na escola que eles poderiam mandar mensagens de gentileza entre eles, para funcionários ou professores. Na primeira semana, foram 48 mensagens e só duas foram de falta de gentileza. Na segunda semana tivemos 230 recados e nenhum com falta de gentileza. Na terceira, 715 recados e três com falta de gentileza. Comparando com a quantidade de mensagens bacanas, aquelas com falta de gentileza foi um número mínimo”, conta a professora.

Envolvimento com a comunidade

O Pedágio da Gentileza levou o tema para as ruas no entorno da escola. Foram distribuídos adesivos com mensagens de gentileza e alunos e professores passaram pelo bairro com faixas e cartazes.

Enquanto os do segundo ano do ensino médio montaram estandes com trabalhos relacionados aos temas, que incluíam Hábitos de Proteção Ambiental, Estatuto da Criança e Adolescente e do Idoso e Preconceito Racial, os do terceiro ano, a partir dos mesmos temas, montaram apresentações culturais.

Gabriela Rocha , do segundo ano, apresentou o trabalho sobre Bolsa Família, programas e órgãos de assistência social. Entre os assuntos abordados pelo seu grupo, estava o Conselho Tutelar. “Muita gente não tem conhecimento disso e acho que todo mundo tem que ficar ciente. Muita gente tem medo de denunciar”, ressalta a aluna.

Entre os temas que se tornaram apresentações está a Lei Maria da Penha, um dos trabalhos que mais chamou a atenção no dia da culminância do projeto. “Eles fizeram um teatro de três minutos, mas foi tão emocionante. Vários adolescentes se emocionaram, assim como professores. A gente conseguiu ver que esse tema é um dos que dificultam o trabalho na escola”, ressalta a educadora.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.