quarta-feira, 10 de Agosto de 2011 15:22h Agência Minas

"Projeto Mães de Minas" busca reduzir mortalidades infantil e materna em todo o Estado

O governador Antonio Anastasia lançou, nesta terça-feira (9), no Palácio Tiradentes, o “Mães de Minas”, cujo objetivo é reduzir as mortalidades infantil e materna em Minas Gerais. Por meio do projeto, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) vai acompanhar e orientar gestantes e mães com crianças de até um ano de idade, de forma a garantir às famílias, especialmente as mais vulneráveis, um ambiente mais seguro e acolhedor aos seus bebês. A expectativa é que 250 mil mães se cadastrem por ano para o recebimento da assistência. Durante o evento, o governador reiterou seu forte compromisso com a saúde e com a vida, em todos os seus aspectos e desdobramentos.

“Lançar o Mães de Minas, mais que um momento de alegria, é um desafio. O projeto é monumental em seus números. Observamos aqui o número expressivo de gestantes que vamos ter de acompanhar praticamente no seu cotidiano e no seu dia-a-dia. É uma ousadia, mas temos de fazê-lo. Se não tivermos informações precisas da condição de cada uma, não poderemos estar ao seu lado para ajudar. Ao mesmo tempo, sabemos que o Governo sozinho não consegue realizar as diversas missões que tem. Por isso mesmo tentamos a Gestão para a Cidadania, que tem por foco a participação efetiva do cidadão como coexecutor dessas políticas públicas. Assim foi no Aliança pela Vida, no combate às drogas, e é também no Mães de Minas”, disse o governador em seu pronunciamento.

Durante a solenidade, o governador assinou decreto que regulamenta a implantação e manutenção da “Rede Viva Vida” e institui o “Projeto Mães de Minas”. Antonio Anastasia também assinou mensagem encaminhando à Assembleia Legislativa projeto de lei que obriga estabelecimentos de serviço de interesse da saúde, públicos e privados, a prestarem informações sobre os benefícios da rede de atenção em saúde da gestante.

O governador autorizou publicação de editais para financiamento a projetos de Casa de Apoio à Gestante e à Puérpera para o atendimento a grávidas de alto risco, em maternidades e hospitais referência, e para a abertura de novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal no Estado. Os investimentos previstos para esses editais são de R$ 3,2 milhões e R$ 2,4 milhões, respectivamente. Também foi assinada autorização, no valor de R$ 2,95 milhões, para a celebração de parceria entre a Secretaria de Saúde e a Associação de Apoio, Proteção e Amparo à criança da Arquidiocese de Montes Claros.

Atenção integral

O “Mães de Minas” é um conjunto de ações de saúde voltadas para proteção e cuidado da gestante e da criança, com a atenção integral à saúde desde o início da gravidez até o primeiro ano de vida do bebê. De acordo com o secretário de Saúde, Antônio Jorge, a intenção é que todas as gestantes mineiras sejam identificadas e acolhidas pelo Governo de Minas, utilizando de forma plena a Rede Viva Vida. Além disso, o trabalho é para que todas as crianças nasçam com dignidade e vivam com saúde.

“Mães de Minas é certamente a ação que mais me emociona, a ação que tenho a maior convicção de que será uma grande união de todos os mineiros, uma grande revolução e uma grande transformação. É a gestação o maior patrimônio da saúde. É, a partir de agora, uma obsessão de toda a sociedade mineira acolher e cuidar de todas as nossas gestantes. A vida merece esse cuidado”, afirmou o secretário Antônio Jorge.

Nove mães receberam os Kits Mães de Minas, que serão entregues a todas as atendidas pelo projeto, em parceria com o Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas). A bolsa contém cobertor, toalha de banho, roupinhas, uma cartilha e alimentos para bebês

Uma das beneficiadas, Andreza Aparecida de Oliveira, de 33 anos, esta grávida de seis meses. “O projeto é ótimo e vai me atender em tudo o que preciso. É a minha primeira gravidez, sou marinheira de primeira viagem. Está sendo muito gratificante estar aqui hoje. Desejo à minha filhinha, Maria Gabriela, tudo de bom nessa vida, que ela nasça com muita saúde e perfeita. Pretendo ser para ela o que minha falecida mãe foi para mim”, planeja a dona de casa.

Também beneficiada, Camila Ferreira Reis, mãe de Júlia, com apenas dois meses de vida, teve todo o pré-natal realizada na rede pública de saúde. A estudante, de 16 anos, espera que, com o projeto, as mães possam ter o melhor atendimento possível e que sua filha tenha mais saúde e melhor atendimento durante seu primeiro ano.

O Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, presente ao evento, lembrou que o Sistema Único de Saúde pode se organizar para ajudar a defender a estrutura da família, durante a gravidez, no momento da assistência ao parto e ao desenvolvimento da criança. Em seu pronunciamento, ele também destacou a importância do “Mães de Minas” para a melhoria dos índices de mortalidade infantil e materna.

Trabalho conjunto

Governo do Estado, municípios e organizações da sociedade civil vão trabalhar em parceria no projeto, com ações integradas de saúde, educação e assistência social. A Pastoral da Criança, que conta com 90 mil voluntários em Minas, será uma das parceiras, atuando na mobilização social. O projeto conta, ainda, com a parceria do Programa Oficina de Travessias, que engloba vários outras ações do Governo do Estado que estão garantindo melhores condições de vida para as famílias mais pobres. Entre elas estão o acompanhamento pré-natal e pediátrico, a garantia do registro de nascimento e o acompanhamento do desenvolvimento da criança.

Inicialmente, o projeto será implantado nas nove localidades onde o Travessia já funciona: Capim Branco, Confins e Mateus Leme, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e nas seis cidades mais vulneráveis, de acordo com o Índice Mineiro de Responsabilidade Social, da Fundação João Pinheiro: Matutina (Alto Paranaíba), Santo Antônio do Jacinto (Jequitinhonha), Itinga (Jequitinhonha), Ninheira (Norte), Presidente Kubitschek (Central), Arinos (Noroeste).

Para a efetivação do projeto, será implantado o Sistema de Identificação da Gravidez, que utilizará como fonte de identificação de gestantes os serviços que prestam assistência à mulher, as Unidades Básicas de Saúde (UBS), os centros de referência ou as unidades de urgência, tanto da rede privada quanto da particular. Esse registro deverá ter o consentimento prévio da gestante, sendo preservados todos os direitos de informação e garantido o sigilo das informações coletadas.

O “Mães de Minas” também estará conectado ao Lig Minas, uma central de atendimento sobre serviços prestados pelas instituições do Governo de Minas, como ferramenta de interlocução direta com a gestante, sua família e com os serviços de saúde, com vistas ao monitoramento da mãe e bebê. O número do telefone para ligação de qualquer cidade mineira é o 155, que funciona em horário comercial e aos finais de semana com serviços restritos.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.