sexta-feira, 28 de Setembro de 2012 14:54h Gazeta do Oeste

Propaganda eleitoral em redes sociais divide opiniões em Minas Gerais

Mesmo com tantas restrições impostas pela Justiça Eleitoral, as campanhas eleitorais estão cada vez mais próximas dos eleitores. Para alguns, no entanto, tanta proximidade acaba sendo invasiva demais e gera desconforto. Em várias cidades de Minas Gerais, a grande queixa diz respeito aos cavaletes com publicidade eleitoral. Muitos destes atrapalham a visão dos motoristas e dificultam a passagem dos pedestres. Depois de reclamações, o Ministério Público Eleitoral (MPE) agiu e a Justiça impôs algumas regras, como, por exemplo, a proibição de cavaletes em canteiros de rotatórias ou a menos de dez metros de distância dos cruzamentos.

No entanto, os organizadores das campanhas não param por aí. Em tempos de globalização e redes sociais em alta, é por meio da internet que alguns candidatos tentam pulverizar propostas, debater ideias e, principalmente, tentar fixar nomes e números para que os internautas os conheçam. Mas, o tiro pode estar saindo pela culatra já que alguns desses internautas não gostam de tanta propaganda nas páginas pessoais.
A jornalista Isabella Lima, 22 anos, trabalha em Araxá, no Alto Paranaíba, e passa praticamente o dia todo conectada. Para ela, os cabos eleitorais de alguns candidatos estão perdendo a noção. "Se a pessoa não é candidata, acho invasivo ficar postando propaganda a toda hora. É incômodo, principalmente quando parte para o lado de agressão a outro candidato. Ao invés de simplesmente agredir um ou outro, quem gosta de política nas redes sociais deveria aproveitar para compartilhar informação relevante", disse ela revelando uma tendência. "Quanto mais propagandas nas redes sociais, mais me antipatizo pelo candidato e, dessa forma, ele tem menos chances de conseguir meu voto", afirmou.

Isabella, assim como outras tantas pessoas, já chegou ao ponto de bloquear ou até excluir alguns 'amigos' da página dela por causa do número excessivo de postagens relacionadas a eleições.
Já Fernando Bove, de 30 anos, que trabalha como aplicador de insulfilm em Uberaba, no Triângulo Mineiro, é direto ao afirmar que não gosta de política nas redes sociais. "Não me influencia em nada. Ainda não cheguei a excluir ninguém por causa disso, mas não aceito ser marcado em fotos e outras postagens envolvendo política", revelou.

Para o auxiliar administrativo Tiago Machado, de 30 anos, também de Uberaba, mais do que a simples militância, outros interesses movem essas pessoas que se dedicam a postar propaganda eleitoral nas redes sociais. "Eu acho que cada um coloca o que quiser. Todo mundo tem esse direito. No entanto, se for exagerado eu bloqueio as atualizações", disparou, explicando que esse tipo de propaganda não conquista o voto dele. "Na verdade, acho esse tipo de abordagem inútil", avaliou.
No entanto, há quem goste e ache totalmente viável a utilização das redes sociais como forma de disseminação de propostas políticas, bem como não se sente incomodado com tamanha quantidade de informações. Uma dessas pessoas é o designer gráfico Alex Maia, de 35 anos. Ele avaliou que as redes sociais têm a função estabelecer a comunicação entre as pessoas, seja qual for o assunto. "Se as pessoas divulgam festas, comércio, religião, por que não divulgar política?", questionou, emendando: "Mas, é preciso ter bom senso. Vejo que algumas pessoas não têm. No entanto, a rede social é pública. Quem quiser, veja, quem não quiser, exclui", completou.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.