segunda-feira, 31 de Agosto de 2015 11:19h Atualizado em 31 de Agosto de 2015 às 11:21h.

Queijarias de Medeiros habilitadas pelo IMA podem vender para todo o estado

As propriedades se adequaram às normas sanitárias com o acompanhamento do Instituto

Na pequena Medeiros, cidade com população de 3,6 mil habitantes e integrante do Circuito da Serra da Canastra, quatro produtores de queijo minas artesanal comemoram neste mês uma conquista importante para seus negócios. É que após dois anos de muito trabalho, acompanhado de rigorosa vistoria e adequação de suas agroindústrias às normas estabelecidas pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), eles concluíram o processo de cadastramento definitivo junto à Gerência de Certificação do Instituto. Isso significa que agora poderão expandir as vendas do produto para todo o estado.
O processo de adequação das agroindústrias familiares é realizado pelo Programa de Apoio à Regularização dos Estabelecimentos Rurais de Pequeno Porte implantado pelo IMA em  2012. O IMA já cadastrou 245 queijarias em todo o estado e outras 60 estão em processo de regularização.
“Todo produtor que pretende aderir ao mercado formal deve procurar o IMA. A regularização da unidade produtiva é um grande passo pois, além de atestar a qualidade do queijo e da agroindústria, agrega valor ao produto que, melhor remunerado, contribui para aumentar a renda do produtor”, argumenta  o gerente de Educação Sanitária e Apoio à Agroindústria Familiar do IMA,  Gilson Sales.

Orientação
Com a implementação da lei estadual nº 19.476 , de janeiro de 2011, que regulariza as pequenas agroindustriais rurais, os estabelecimentos menores tiveram a permissão de continuar produzindo até se adequarem totalmente às normas sanitárias.
Essa condição é válida por um período de dois anos, tempo concedido pelo IMA para que o proprietário ajuste sua produção rumo à obtenção do cadastro ou registro definitivo, como aconteceu com as quatro agroindústrias de Medeiros.
“Os produtores passam por um processo de regularização que envolve a assinatura de um termo de compromisso de dois anos, período no qual têm o acompanhamento e a orientação de técnicos do Instituto”, esclarece.
O responsável pelo Programa na região e chefe do escritório do IMA em Bambuí, cidade que supervisiona o município de Medeiros, Reginaldo Carvalho, relata  que a conquista das queijarias de Medeiros é fruto de um longo processo de adequação baseado na fiscalização da sanidade do rebanho, da infraestrutura física da unidade produtiva, da saúde dos trabalhadores, da qualidade da água e das boas práticas de fabricação.
“O processo é demorado e minucioso, mas a vantagem  é que eles continuam produzindo e vendendo seus produtos, podendo investir na adequação da pequena agroindústria”, argumenta.
As quatro pequenas agroindústrias de Medeiros atenderam às regras de segurança alimentar, saúde e meio ambiente e, por isso, conquistaram o cadastro definitivo e receberam um certificado, o que é um diferencial competitivo no mercado.
“Para se cadastrar o produtor vai a um escritório do IMA e solicita  uma visita técnica à propriedade. Depois dessa visita é assinado o termo de compromisso para a realização das adequações necessárias. Durante os dois anos de vigência, o produtor pode comercializar o queijo e, se cumprir todas as exigências, terá sua queijaria habilitada”, conclui Reginaldo Carvalho.

 

Créditos: IMA/Divulgação

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.