quarta-feira, 11 de Julho de 2012 17:18h Gazeta do Oeste

Rede Farmácias de Minas chega a 23 municípios

Melhor infraestrutura, maior controle do estoque, qualidade na distribuição dos medicamentos e atendimento personalizado aos usuários. Esses são alguns dos benefícios do Farmácia de Minas

Melhor infraestrutura, maior controle do estoque, qualidade na distribuição dos medicamentos e atendimento personalizado aos usuários. Esses são alguns dos benefícios do Farmácia de Minas, que está presente em 23 municípios da região Centro-Oeste.

 

Criado com o objetivo de oferecer uma rede de farmácias públicas para distribuição gratuita de medicamentos do Sistema Único de Saúde (SUS), o Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), implementou, até junho deste ano, 415 unidades do Farmácia de Minas em todo o Estado.

 


A cidade Passa Tempo, no Centro-Oeste de Minas, que tem aproximadamente 8 mil habitantes, foi uma das primeiras cidades da região contemplada com o Farmácia de Minas. A unidade foi inaugurada em 2010 e faz em média 120 atendimentos por dia. “Antes, a farmácia funcionava numa sala pequena, sem estrutura para controle do estoque e, isso, causava a perda de muitos medicamentos. Com a inauguração da unidade do Farmácia de Minas, equipada com computadores e  móveis necessários, a mudança foi radical no controle de qualidade, atendimento e distribuição dos medicamentos”, afirma o farmacêutico responsável, Henry Lanoicar Pires.

 

Já Pedra do Indaiá, município de menos de 4 mil habitantes, teve a unidade do Farmácia de Minas inaugurada no ano passado. De acordo com a farmacêutica da unidade, Roberta Silva, as instalações do Farmácia de Minas humanizou o atendimento, propiciando mais conforto aos funcionários e aos usuários. A unidade do município atende, por dia, cerca de 90 pessoas em busca de medicamentos para doenças como diabetes e hipertensão.

 

Na região Centro-Oeste, além de Passa Tempo e Pedra do Indaiá, os municípios de Igaratinga, Perdigão, Aguanil, Araújos, Cláudio, Conceição do Pará, Dores do Indaiá, Estrela do Indaiá, Itaguara, Itatiaiuçu, Japaraíba, Leandro Ferreira, Luz, Martinho Campos, Santo Antônio do Amparo, São José da Varginha, São Sebastião do Oeste, Camacho, Córrego Danta, Moema e Pimenta, também receberam uma unidade da Rede Farmácia de Minas.

 

Expansão

 

A expansão da Rede Farmácia de Minas é uma das prioridades do Governo do Estado, a previsão é que até o final do ano, 500 unidades estejam em funcionamento. O objetivo é que em 2014, esse número chegue a 755 unidades, o que corresponde a cobertura de mais de 80% dos municípios mineiros.

 


A Rede Farmácia de Minas começou a ser estruturada em 2008 para distribuição gratuita de medicamentos no Sistema Único de Saúde (SUS) do Estado, através do programa, o Governo de Minas oferece incentivo financeiro para o custeio, a construção de farmácias públicas e a contratação de farmacêuticos. O objetivo é garantir acesso a medicamentos e atendimento de qualidade, se propondo a ser referência de serviços farmacêuticos para a população. Cada unidade disponibiliza 163 tipos de medicamentos.
O critério de escolha da localização das unidades da Farmácia de Minas levou em consideração a dificuldade das pequenas cidades em manter farmacêuticos qualificados, maior gasto per capita com medicamentos e a ausência de serviços de saúde estruturados.

 

De acordo com informações da Diretoria de Medicamentos Básicos da SES, até o próximo ano estão previstas o funcionamento de sete Unidades Integradas da Rede, que irão oferecer o acesso gratuito aos três componentes da assistência farmacêutica: básico, estratégico e alto custo. O primeiro município a receber a nova unidade será Pirapora, prevista para o segundo semestre deste ano.

 

Recursos

 


O Governo do Estado investiu no programa entre os anos 2007 e 2011, por meio da Secretaria de Saúde, R$ 80 milhões. A partir do segundo semestre desse ano, o valor para a construção da unidade, que antes era de R$ 55 mil, passa a ser de R$100 mil, e outros R$ 35 mil para compra de equipamentos e doação aos municípios.

 


Além disso, são repassadas parcelas quadrimestrais para complementação salarial  do profissional farmacêutico responsável pela unidade. São duas de R$4.800 e uma de R$ 6.000. Para todas as farmácias, é disponibilizado o Software Sistema Integrado de Gerenciamento da Assistência Farmacêutica (SIGAF), que  garante o gerenciamento, o adequado controle dos medicamentos e cadastro dos pacientes atendidos pela Farmácia, bem como de toda a rede.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.