quarta-feira, 9 de Outubro de 2013 09:53h

Resultados do Choque de Gestão são destaque em evento nacional realizado em Brasília

Governador Antonio Anastasia apresentou o programa de gestão do Estado durante encontro na sede do Tribunal de Contas da União, nesta terça-feira

O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, apresentou, nesta terça-feira (08), em Brasília, durante evento no Tribunal de Contas da União (TCU), os resultados práticos que o Choque de Gestão propiciou ao Estado. A apresentação ocorreu a convite do TCU que, em parceria com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), vai iniciar um estudo sobre as melhores práticas de governança no mundo para apresentar como modelo para o serviço público no Brasil.

Para Anastasia, o sucesso da gestão pública está centrado em três fundamentos: pessoas, estrutura e procedimentos. No que se refere à questão de pessoal, ele destacou a importância de priorizar a meritocracia, a formação de gestores e o processo contínuo de qualificação. “Não existe administração pública nem boa governança se não tivermos pessoas preparadas, estimuladas e devotadas à causa pública. Durante muitas décadas no Brasil, não investimos na formação dos servidores de carreira preparados o suficiente para fazer frente às necessidades da administração”, afirmou.

 

No que se refere à estrutura do Estado, o Governador de Minas defende a tese de maior horizontalidade e racionalização de forma a aproximar o poder decisório de onde está o problema. “Especialmente em um país com dimensões continentais, com as diversidades geográficas como o Brasil, quanto mais nós simplificarmos e levarmos o processo decisório para mais próximo do cidadão, nós estaremos facilitando, tornando mais simples, mais eficiente, mais justa e correta as decisões”, argumentou.

 

Quanto aos procedimentos, entende Anastasia, serem relevantes a definição de metas e a cobrança de resultados, aproveitando boas ferramentas do setor privado e adaptando-as à gestão pública. Para ele, “a ideia é estabelecer a eficiência no seio da administração, trazendo institutos próprios da gestão privada, mas adaptando-os ao regime jurídico próprio da administração pública, buscar determinadas ferramentas e instrumentos que podem permitir uma agilidade maior para a administração pública como o acordo de resultados”.

 

Acordo

 

O TCU assinou nesta terça-feira (08) acordo de cooperação com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) para o início de estudo internacional sobre a governança pública. O trabalho tem o objetivo de facilitar a contribuição do TCU e das demais Entidades de Fiscalização Superiores (EFS) dos países participantes – Estados Unidos, França, Canadá, Chile, África do Sul, Coreia do Sul, Índia, México, Polônia e Portugal, além da Comunidade Europeia – no fortalecimento da boa governança e da sólida gestão pública por meio do trabalho de auditoria e aconselhamento.

 

O conjunto de boas práticas a ser identificado pode colaborar para o aprimoramento das condições de governança em torno das ações de governo destinadas à sociedade. O TCU espera que a parceria com a OCDE possa auxiliar na busca de soluções para diversos gargalos da administração pública brasileira. Principalmente no que diz respeito ao uso correto e efetivo dos recursos públicos.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.