terça-feira, 27 de Setembro de 2011 11:52h Rafael Arruda

Sai curso superior, entra concurso público.


O crescimento do número de candidatos a concursos públicos, e do número de concursos propriamente ditos, aumentou em grandes proporções nos últimos anos. Motivos para tal existem mais de um. Mesmo o crescimento econômico do país pode ser utilizado como justificativa. O que é novo, ou pelo menos inesperado, é a grande troca de cursos superiores por preparatórios para concursos públicos, ou o abandono do curso superior para o ingresso na carreira pública.

 

 

Os concursos públicos têm fortes atrativos, como a estabilidade financeira, as jornadas de trabalho reduzidas, além das facilidades como empréstimos diferenciados. Segundo Allan Eduardo de Souza, ex-estudante de direito e há sete anos na Polícia Militar de Minas Gerais: “Uma vez dentro da carreira pública, pude notar que dentro do mercado de trabalho da iniciativa privada a rentabilidade chegava a ser menor que meus vencimentos, e as jornadas de trabalho irregulares não permitiriam que eu investisse na carreira ou na minha formação pessoal.”

 


Já há algum tempo, como no caso de Allan, que estudantes deixam a faculdade, ou deixam de prestar o vestibular já na intenção de ingressar na carreira pública, e cada vez mais pessoas praticam esse ato. De acordo com o policial, hoje ficou mais fácil deixar o curso superior para prestar um concurso: “Antigamente, existia um maior preconceito com quem não tinha curso superior, ou pelo menos uma maior valorização de quem tinha. Hoje é fácil fazer um curso superior, independente da qualidade, e a possibilidade de fazê-lo depois já deixa de lado um fator que impedia as pessoas de prestar concurso, deixando uma barreira para trás. Eu mesmo pretendo cursar uma faculdade, mas no meu caso, mais para formação pessoal.”

 

A procura por preparação para concursos públicos aumentou muito este ano, e segundo Michele Cenzi, responsável por uma escola de cursos preparatórios, tanto para vestibular como para concursos, o aumento ocorre na procura por níveis regionais e nacionais: “Teve um aumento de procura, do começo do ano pra cá, não só para concurso público estadual, mas principalmente federal.” Este aumento se deve segundo Michele, ao mercado de trabalho de difícil acesso, aumentando a procura pelo cargo público. “Tanto os recém-formados no ensino médio como os formados na faculdade, a primeira coisa que eles estão fazendo, é pensar em concurso público.” - afirmou Michele.

 

 

PROPAGANDA

 

Pode-se dizer também que o acesso à informação também contribui para esse crescimento. Fazem-se mais presentes a cada dia, as propagandas dos cursos preparatórios, que consistem mais em mostrar as vantagens e salários dos cargos a serem concorridos do que a qualidade dos preparatórios propriamente ditos. Logo, a possibilidade, de crescimento financeiro imediato, apresentada deixa as pessoas deslumbradas, o que pode pesar e muito na decisão por um cargo imediato ou uma formação em longo prazo.

 

 

ESCOLHA FORÇADA

 

Sem condições, ou mesmo por falta de vagas no ensino público superior, muitos jovens encontram o concurso público como saída. Não pode ser negada, a consciência que os jovens têm cada vez mais da necessidade de um curso superior, mas a falta de acesso a estes, muitas vezes obriga que o estudante concorra a cargos públicos para ter condições de se sustentar, e incentivos para investir no ensino superior posteriormente.
Outro ponto que também pode forçar a escolha por serviço público é a falta de experiência que em muitos casos impossibilita a contratação pela iniciativa privada, o que não acontece quando se concorre a uma vaga pública de nível médio.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.