sexta-feira, 17 de Outubro de 2014 07:02h Atualizado em 17 de Outubro de 2014 às 07:06h. Lorena Silva

Secretaria de Estado de Saúde define plano após confirmação de primeiro caso de Febre Chikungunya em Minas Gerais

Casos da região Centro-Oeste, como os das cidades de Itaúna e Santo Antônio do Monte, já foram descartados

Após ter sido confirmado, na última segunda-feira, o primeiro caso da Febre Chikungunya em Minas Gerais, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) definiu um plano de contigência para evitar o alto número de casos da doença – que é semelhante à Dengue e transmitida pelo mesmo mosquito. O primeiro caso foi confirmado em Matozinhos, região metropolitana de Belo Horizonte. Minas Gerais é o terceiro Estado a registrar casos de transmissão da doença.
Segundo a Secretaria, o plano de contingência tem como metas a intensificação das atividades de vigilância, a preparação de resposta da rede de saúde, o treinamento de profissionais, a divulgação de medidas às secretarias municipais de saúde e a preparação de laboratórios de referência para diagnósticos da doença.
Ainda de acordo com o órgão, também será formada uma equipe médica de referência para atuar em todo o Estado, apoiando as unidades regionais e municípios na capacitação de profissionais médicos e enfermeiros e dando assistência aos pacientes com suspeita da doença. “Outra ação é a capacitação dos profissionais de saúde. Para tanto, nos dias 20 e 21 de outubro, a SES/MG realizará ampla capacitação com 300 vagas para médicos de todas as regiões do Estado”, explicou em nota.

 

 

AÇÃO PARA O MUNICÍPIO
De acordo com a SES, também estão sendo contratados 22 médicos que serão referência para esses e outros agravos infecciosos de importância para a saúde pública. Esses profissionais vão percorrer os municípios do interior do Estado, com o objetivo de levar as informações referentes ao diagnóstico e tratamento da Febre do Chikungunya aos médicos e demais profissionais da assistência.
Nossa equipe entrou em contato com a Prefeitura de Divinópolis para saber se a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) já havia sido notificada sobre alguma ação que envolve o combate à doença, mas a responsável por essa área estava em viagem e não pôde nos atender.

 

CASOS DA DOENÇA
Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, já foram recolhidas dez amostras para realização de exames. Até a última segunda-feira, havia, além da confirmação do caso em Matozinhos, suspeitas da doença nas cidades de Montes Claros, Contagem, Belo Horizonte, Viçosa e Coronel Fabriciano. Já os casos de Mato Verde, Itaúna, Alfenas e Santo Antônio do Monte já foram descartados.

 

 

A DOENÇA
O agente transmissor da Febre Chikungunya é o mosquito Aedes aegypti – o mesmo causador da Dengue – e o Aedes albopictus. O vírus é transmitido pela picada da fêmea de mosquitos infectados e circula em alguns países da África, Ásia e América. O termo Chikungunya significa “aqueles que se dobram” em swahili, um dos idiomas da Tanzânia, e se refere à aparência curvada dos pacientes que foram atendidos na primeira epidemia documentada no país.
Os sintomas da doença são semelhantes aos da Dengue, sendo eles febre acima de 39 graus, dores intensas nas articulações de pés e mãos (dedos, tornozelos e pulsos), dor de cabeça, dor nos músculos e manchas vermelhas na pele. Os sintomas aparecem de dois a dez dias após a picada do mosquito, podendo chegar a doze dias.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.