quarta-feira, 27 de Abril de 2016 11:57h Agência Minas

Seminário discute participação das mulheres na política e nos espaços de poder

A ideia é ampliar a representação das mulheres nas câmaras de vereadores e prefeituras municipais

Cerca de 60 mulheres líderes partidárias e de movimentos sociais, além de gestoras públicas e representantes dos conselhos estadual e municipais, participam, até quinta-feira (28/4), em Belo Horizonte, do seminário Gênero, Políticas Públicas e Participação Política. O evento, que acontece no hotel San Diego Mid, na Pampulha, é uma realização da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) da Presidência da República em parceria com a Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac).

A ideia dos idealizadores do evento é ampliar a representação das mulheres nas câmaras de vereadores e prefeituras municipais a partir das eleições deste ano. Na terça-feira (26/4), durante a abertura do seminário, foi lançada também na capital mineira a campanha  “Mais mulheres no poder: Eu assumo esse Compromisso”,  do Fórum Nacional de Instâncias de Mulheres de Partidos Políticos, que busca a construção de estratégias para a ampliação da participação das mulheres na política e nos espaços de poder. Essa ferramenta pode ser acessada pelo site SPM (www.spm.gov.br) e está disponível também em folders e spots veiculados na mídia.

 

 

 

“Esse seminário é um momento importante para refletirmos sobre o papel da mulher na política, de prepararmos essas mulheres para enfrentar, de forma mais qualificada, o pleito deste ano”, afirma Larissa Amorim Borges, subsecretária de Políticas para Mulheres da Sedpac. Segundo ela, mesmo com a grande participação em movimentos sociais e de trabalhadores, as mulheres ainda têm sido preteridas na hora da escolha para as eleições.

Larissa Borges foi uma das participantes da mesa de debates na tarde de terça-feira (26/4), quando foram abordados temas como “Relações de gênero: discriminações e desigualdades de gênero e raça” e “Preconceito e discriminação: história da participação política feminina no Brasil”.  O seminário conta também com as presenças da professora Hildete Pereira de Melo, da UFF, e de Adriana Mota, da SPM/PR.

 

 

 

O secretário de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania, Nilmário Miranda, enfatizou que a partir das conferências realizadas no ano passado, foi elaborado um conjunto de propostas para atender à demanda das mulheres mineiras. “São programas e ações para o enfrentamento à violência doméstica, para a igualdade de oportunidade em todos os lugares, seja na universidade, no trabalho e na geração de renda, e para o empoderamento das mulheres na política. Não é possível política sem as mulheres”, disse, lembrando que Minas está cumprindo o seu grande compromisso com as mulheres.

“A participação das mulheres no poder hoje ainda não representa os avanços que elas têm conseguido na sociedade. Somos mais da metade da população brasileira, estamos inseridas no mercado de trabalho, avançamos, mas ainda representamos apenas 9,9% das mulheres no parlamento brasileiro”, disse Isabel Lisboa, superintendente de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres da Sedpac, salientando a grande luta pela igualdade das mulheres na representação política e na liderança.

 

 

 

“É preciso desorganizar a cultura machista que insiste em repetir que as mulheres não gostam de política. Desconstruir estereótipos e estigmas baseados na divisão sexual do trabalho que naturalizam o lugar das mulheres no mundo privado, da casa, do lar, do cuidado é uma tarefa urgente e dever do Estado se quisermos de fato avançar e construir outros paradigmas de liberdade e igualdade para todas as pessoas”, disse Renata Adriana Rosa, superintendente de Autonomia Econômica das Mulheres e Articulação Institucional da Sedpac.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.