quarta-feira, 9 de Outubro de 2013 10:41h

Seplag apresenta proposta de metodologia de avaliação dos prestadores de serviço em workshop

Encontro reuniu representantes de 38 órgãos e entidades do Governo de Minas na Cidade Administrativa

A Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), por meio da Diretoria Central de Licitações e Contratos (DCLC), realizou nesta terça-feira (8), workshop na Cidade Administrativa com o objetivo de discutir a metodologia de avaliação dos prestadores de serviço do Estado. O método que está sendo elaborado avalia o fornecedor a cada aceite do serviço, ou seja, previamente à liquidação da despesa, com base em quatro critérios representados por prazo de entrega, qualidade do serviço, segurança do trabalho e análise documental.

O encontro reuniu representantes de 38 órgãos e entidades do Governo de Minas que discutiram os critérios de avaliação principalmente nos itens prazo de entrega e segurança. Segundo Luciana Drumond, diretora Central de Licitações e Contratos da Seplag, os representantes dos órgãos terão um prazo de 15 dias para enviar as sugestões para a elaboração da nova metodologia.

Benefícios da avaliação

O uso da avaliação dos fornecedores permitirá que sejam adotadas ações de acordo com a classificação obtida por eles. O superintende Central de Recursos Logísticos e Patrimônio (SCRLP), Jean Mattos Duarte, lembrou que “a nova metodologia vem para induzir a uma maior qualificação da prestação de serviços pelos fornecedores”.

Minas Gerais tem hoje mais de 25 mil fornecedores cadastrados e a intenção é que a nova forma de avaliação da prestação de serviços passe a vigorar nos contratos assim como já acontece naqueles para o fornecimento de materiais. A expectativa é que até o final deste ano seja concluída a metodologia de avaliação de prestadores de serviços, para que seja implementada partir de 2014. A nota de avaliação varia de zero a 100 e é considerado um bom fornecedor aquele que obtiver um desempenho superior a 90%.

Para aqueles prestadores de serviços que na avaliação obtiverem desempenho entre 70% e 90% deverão ser analisadas as causas do desempenho mediano, além de serem realizadas reuniões com o contratado e elaborados planos de ação visando melhorias na execução contratual. Luciana Drumond ressalta que a nova ferramenta vai permitir o registro de uma série de informações no Portal de Compras do Estado, o que vai facilitar que sejam evidenciados os gargalos do processo e a geração de relatórios gerenciais.

A melhoria no fluxo de informações vai permitir que a administração conheça os problemas das contratações e melhore a relação com fornecedores e a gestão de seus contratos.  A ideia é que a avaliação seja obrigatória no Portal de Compras do Estado, impedindo que o pagamento seja feito aos fornecedores que não foram avaliados.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.