terça-feira, 26 de Maio de 2015 12:14h

Setor de TI quer faturar R$ 12,9 bi em Minas Gerais até 2022

Projetos e planos para a área foram debatidos durante encontro entre representantes do setor e governo mineiro

O secretário de Estado de Ciência e Tecnologia e Ensino Superior, Miguel Corrêa, recebeu nesta terça-feira (26/5), no Palácio da Liberdade, representantes de empresas do segmento de Tecnologia da Informação (TI) do Estado para a apresentação de uma proposta ao Projeto conhecido como MGTI, de incentivo ao setor nos próximos oito anos, a partir deste ano.

As metas para 2022 consistem em atingir cerca de R$ 12,9 bilhões de faturamento anual das empresas. Para atingir esse objetivo, seriam necessários investimentos anuais R$ 12,5 milhões em geração de negócios, capacitação, condomínio virtual e ambiente regulatório.

Participaram da reunião representantes da seccional mineira da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação de Minas Gerais (Assespro-MG), Sociedade Mineira de Software (Fumsoft) e Sociedade de Usuários de Informática e Telecomunicações em Minas Gerais (Sucesu), além do presidente da Prodemge, Paulo Moura, e do Secretário-Geral da Governadoria, Eduardo Serrano.

Minas Gerais possui cerca de cinco mil empresas ligadas à TI, sendo 70% em Belo Horizonte e região metropolitana. O setor é responsável por um faturamento anual superior a R$ 2 bilhões, ou 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) de Minas Gerais, e pela geração de cerca de 20 mil empregos diretos em 35 municípios.

De acordo com o secretário Miguel Corrêa, as entidades solicitaram o apoio do governo de Minas para a articulação, capacitação e fomento das empresas, bem como na criação de uma nova legislação para regular a tecnologia da informação em Minas Gerais, visando reforçar a projeção do Estado em níveis internacionais. "Eles querem qualificar a relação entre o governo e o setor produtivo, transformando Minas Gerais no maior polo da economia digital do Brasil e da América Latina", afirmou o secretário de Ciência e Tecnologia.

O projeto vai ser analisado pelo Governo de Minas Gerais. A meta do programa é formar e capacitar até 75 mil novos profissionais e atrair até 2.500 empresas no condomínio virtual, aumentando a competitividade do Estado na área de TI.

 

 

Créditos: Manoel Marques/Imprensa MG

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.