sexta-feira, 16 de Setembro de 2016 10:19h Assessoria de Comunicação Faculdade de Medicina

Simpósio discute vulnerabilidade e consumo de drogas

Na oportunidade, também serão apresentados os dados da pesquisa sobre o consumo de drogas na capital, realizada em parceria com a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

No dia 17 de setembro será realizado, no Salão Nobre da Faculdade de Medicina da UFMG (Av. Alfredo Balena, 190. Centro), das 8h às 17h, o 6º Simpósio de Pesquisa em Dependências Químicas. O evento, voltado para profissionais e estudantes das áreas da Saúde e Educação reunirá especialistas de diversas áreas para debater questões relativas ao consumo de drogas e a vulnerabilidade. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas no site do Centro de Referência em Drogas (CRR), uma colaboração entre a UFMG e a Secretaria Nacional de Política sobre Drogas do Ministério da Justiça.

Na primeira parte do evento, o professor do Departamento de Saúde Mental da Faculdade e coordenador do CRR, Frederico Garcia, conduzirá a conferência “Como os belorizontinos usam drogas: Resultados da Pesquisa Conhecer e Cuidar 2015”. Após a apresentação, os resultados serão discutidos em conjunto às questões relativas à vulnerabilidade de dependentes químicos, de profissionais de saúde e de gênero.

Já na parte da tarde, o debate será acerca da prevenção do uso de drogas para crianças e adolescentes. Será apresentado, também, o livro “Açaim – Raízes Perdidas”, desenvolvido pelo Centro de Referência em Drogas como uma estratégia didática para a prevenção.

Segundo Garcia, o evento é uma importante oportunidade para discutir a temática. “O Simpósio tem o objetivo de estabelecer um diálogo sobre a vulnerabilidade e as questões que levam ao consumo de drogas. A partir da troca de experiências poderemos discutir o que deve ser feito para prevenir o consumo, principalmente entre crianças e adolescentes”, afirma.

Conhecer e Cuidar

A pesquisa, feita em parceria com a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, foi desenvolvida a partir da realização de aproximadamente sete mil questionários com moradores das diferentes regiões de Belo Horizonte. Os resultados apontam os principais indicadores referentes ao consumo de drogas no município. Com os dados obtidos, foi possível detalhar a prevalência de experimentação e de consumo, de acordo com a faixa etária, sexo, região, entre outros fatores. A pesquisa analisou, também, a prevalência de transtorno mental decorrente do uso de drogas psicoativas, subdivididos em abuso e dependência.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.