segunda-feira, 23 de Março de 2015 10:02h Atualizado em 23 de Março de 2015 às 10:25h.

Sistema de produção utilizado no cultivo de morango, agora favorece a produção de tomate e abacaxi

Implantação do método mulchieng, também chamado de plasticultura, que permite cultivar as plantas em estufa, melhora a qualidade dos frutos e economiza água no plantio

Com a orientação da Emater-MG, agricultores do município de Antônio Carlos, região Central de Minas, abandonaram o cultivo de morangos pelo método tradicional para investir em um sistema alternativo conhecido como mulchieng ou plasticultura. Com a mudança, os irmãos Gilberto e Fábio Almeida conseguiram melhorar as condições de trabalho e o desempenho da lavoura.

O método mulchieng permite cultivar, além do morango, o tomate e o abacaxi em uma estufa que protege as plantas das ações climáticas e possibilita o cultivo de um fruto mais sadio. As mudas são plantadas em slabs (sacos plásticos também conhecidos como travesseiros), que são preenchidos com substrato e furados para que as plantas possam se desenvolver. Os slabs são colocados em bancadas para que as mudas fiquem suspensas e não tenham contato com chão.

“O novo sistema tem contribuído para solucionar antigos problemas da produção, como a qualidade final dos frutos - melhorada - e como o sistema cria uma estufa, é possível também economizar água, pois a irrigação não evapora com facilidade", afirma o coordenador técnico estadual de Fruticultura da Emater-MG, Bernardino Cangussú.

Inovação e criatividade

Mesmo com todas as melhorias, alguns agricultores, como os irmãos Gilberto e Fábio Almeida, do município de Antônio Carlos, região Central de Minas, decidiram fazer algumas adaptações. Os produtores substituíram os slabs por calhas de isopor. As calhas ficam suspensas por uma estrutura e são cobertas com plástico antes de receberem o substrato e as mudas. Além de durável, o isopor trouxe benefícios, como a redução das oscilações de temperatura, que podem prejudicar a produtividade da lavoura, e possibilitou a renovação das plantas.

“A calha de isopor chega a reduzir a oscilação da temperatura em 17 graus. Ao implantar as calhas de isopor ganhamos em torno de 400 gramas por planta em 7 meses e demos longevidade ao nosso plantio. Isso nos permitiu melhorar o manejo”, conta Fábio Almeida.

Com a mudança, os irmãos Gilberto e Fábio Almeida conseguiram melhorar as condições de trabalho e o desempenho da lavoura. “Saltamos de 5 mil plantas por trabalhador para algo em torno de 12 mil, pois trabalhamos em pé e fazemos a colheita com carrinhos”, relata Gilberto Almeida.

O sistema de plasticultura também está contribuindo para solucionar antigos problemas da produção, como o custo de manutenção dos canteiros, o uso de agrotóxicos para fazer o controle de pragas e a economia de água em todo a produção.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.