terça-feira, 6 de Setembro de 2011 17:47h Atualizado em 7 de Setembro de 2011 às 11:02h. Letícia Menezes

TJMG autoriza governo a contratar professores para o 3º ano por meio de designação

Sind-UTE Divinópolis tranquiliza professores e não se preocupa com esta decisão

Confirmado na última sexta dia 2 de setembro pelo TJMG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais) o direito do Governo de Minas em contratar professores para o 3º ano do ensino médio por meio de designação.


O Sind UTE/MG (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais) fez um mandato com o objetivo de impedir a contratação de professores por meio de designação, mas o tribunal indeferiu, autorizando que o governo contratasse outros professores para substituir os que estão em greve.
Por causa da greve os alunos do 3º ano estão sem aula e isso pode prejudicar desempenho dos mesmos nas provas do Enem.
 

Maria Catarina Vale é coordenadora do Departamento de Políticas Sociais de Comunicação e Imprensa do Sind-UTE em Divinópolis, e explicou que os professores em greve não estão preocupados com a questão de contratar outros designados para seu lugar. “Não estamos preocupados com essa contratação do governo, pois de acordo com lei temos o direito de fazer greve para reivindicar nossos direitos e esses professores não podem ser substituídos. Todo professor que está em greve entrega a escola uma notificação que explica o motivo da mesma, constando o artigo 9º e 37 da Constituição Federal ao que diz respeito a greve pois eles estão protegidos pela lei” relatou Catarina.


A greve dos professores está prestes a completar noventa dias, no próximo dia 8 de setembro. Segundo Catarina, 55% do estado está paralisado, reivindicando ao governo o cumprimento da lei referente ao piso salarial.


O movimento tomou maiores proporções quando o presidente da Federação de Pais de Minas Gerais, Mário de Assis fez com que a greve dos professores de Minas Gerais tivesse conhecimento nacional. Ele enviou um comunicado ao ministro da Educação Fernando Haddad informando que os alunos do ensino médio estariam sendo prejudicados no que diz respeito ao Enem.


Catarina ainda contou que Mário de Assis foi até Brasília pedir o adiamento das provas do Enem em função do prejuízo dos alunos dos 3ºs. que farão as provas em Minas Gerais.
 

Ela ainda ressaltou que o governo não se preocupa com o ensino básico e muito menos com o ensino médio. “Pela repercussão que a greve está tendo agora todos se mostram preocupados com educação. O estado nunca preocupou, pois há muito tempo não existe investimento , nem política de educação e a educação básica em Minas está sucateada , os professores não querem mais ministrar aulas no estado por baixos salários” revelou a coordenadora.


O Sind-UTE sabe que a falta de professores na sala de aula pode prejudicar os alunos, mas segundo mesmo o ensino médio está sendo prejudicado desde 2006.


O motivo da greve é que além de melhores salários os professores querem melhores pisos. Segundo Catarina o governo quer pagar o mesmo valor de piso salarial  que é de R$712,20 para os que estão começando, ou seja, quem está no nível um até os professores que tem especialização que chegam ao nível quatro.
 

Está difícil  contratar professores, pois há mais de um mês o governo anunciou a contratação mas atá hoje não conseguiu o número suficiente para atender as escolas,  disse Catarina.


O Sind-UTE  tem uma tabela com a aplicação correta do piso salarial de acordo com o nível de escolaridade, tempo de serviço e os valores que deveriam ser pagos aos professores. Haverá uma nova assembleia estadual no dia 8 de setembro com todos os que trabalham com a educação em Minas para que possamos entrar num acordo.   
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.