quinta-feira, 11 de Julho de 2013 05:19h Redação

Tolentino apoia extinção do voto secreto na Assembleia de Minas

Em votação histórica no Brasil, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) aprovou hoje, dia 9 de julho de 2013, a extinção do voto secreto na Casa. De autoria do deputado Sargento Rodrigues (PDT), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 3/11, prev

Tolentino apoia extinção do voto secreto na Assembleia de Minas

Além de ser o primeiro deputado mineiro a abrir mão do pagamento do 14º e 15º salários, Tolentino defende também a PEC do “não pagamento” para parlamentares ausentes em reuniões ordinárias

Em votação histórica no Brasil, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) aprovou hoje, dia 9 de julho de 2013, a extinção do voto secreto na Casa. De autoria do deputado Sargento Rodrigues (PDT), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 3/11, prevê também a votação nominal e individual para cada deputado, em relação as principais proposições que estão em tramitação.

O deputado estadual Fabiano Tolentino (PSD) votou favorável a PEC 3/11, aprovada na reunião extraordinária na manhã de hoje com 59 votos favoráveis e nenhum contrário. “Estamos trabalhando pela transparência no poder público, em especial, da Assembleia. A extinção do voto secreto foi uma grande conquista, porque acredito que um homem público deve prestar contas de todas as suas ações perante seu eleitorado”, disse.

O parlamentar, primeiro em Minas a abrir mão do pagamento do “auxílio paletó” (14º e 15º salário) na Assembleia, completou ainda que agora estão trabalhando pela aprovação de uma nova PEC que vai acabar com o pagamento de deputados que faltarem às reuniões ordinárias. “O trabalhador normal tem o dia cortado quando falta ao serviço e o mesmo deve acontecer com qualquer político, sem qualquer tipo de privilégio. Já extinguimos nessa legislatura o pagamento das reuniões extraordinárias e agora vamos batalhar para também extinguir a remuneração dos deputados que faltarem as reuniões ordinárias, que acontecem três vezes por semana”, detalha.

Em entrevista coletiva à imprensa logo após a votação, o presidente da Assembleia, deputado Dinis Pinheiro (PSDB) declarou que o voto secreto deixará de existir até mesmo para a eleição da Mesa Diretora. “O voto simbólico já era. O voto secreto já era. Pela Constituição Mineira, que é a legislação maior, e da forma como foi aprovado, tudo agora será pelo voto nominal e voto aberto, de forma geral, inclusive para a eleição da Mesa”.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.