quinta-feira, 9 de Abril de 2015 19:25h

Tolentino defende continuidade do Parque da Gameleira

Possibilidade de fechamento de centro agropecuário na Capital preocupa criadores de cavalos

O Deputado Estadual Fabiano Tolentino (PPS), presidente da Comissão de Política Agropecuária e Agroindustrial da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), defendeu a continuidade do Parque da Gameleira, em Belo Horizonte, durante audiência pública da comissão realizada na última quarta (8). A reunião contou com a participação de várias entidades que representam criadores de cavalos, preocupados com a possibilidade de transferência do centro agropecuário para outro local.

“Já realizamos, em 2012, uma ação solidária com mais de duas mil pessoas justamente para mostrar a importância da Gameleira para o cenário agropecuário e agroindustrial de Minas Gerais. Precisamos de uma visão diferenciada da equinocultura. A área emprega muito, gera negócios”, afirmou Tolentino, relatando ainda ter, desde a infância, lembranças de visitas ao parque de exposições, para ver os cavalos em competição.

O secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, João Cruz Reis Filho, participou da audiência e garantiu a continuidade do Parque de Exposições da Gameleira. “Realizaremos a grande exposição estadual na primeira semana de junho, para a qual convido todos a levarem seus animais. Não podemos deixar que o evento seja um fiasco. Contamos com vocês”, disse o secretário.

A notícia deixou aliviados os criadores de cavalos, tendo em vista que desde 2013 fala-se na possibilidade de fechamento do parque de exposições.

O Brasil tem 8 milhões de equídeos, que formam o quarto maior rebando do mundo. Em todo o país, 640 mil pessoas são empregadas pela equinocultura. Segundo o representante da Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Campolina, Alessandro Moreira Procópio, em Minas Gerais 50% dos cavalos são usados para trabalho e em fazendas.

Representando a Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Mangalarga Marchador, Thiago de Rezende Garcia ressaltou a importância da equinocultura para o Estado. “Muita gente vê a criação de cavalos como hobby, mas a realidade não é essa. Dos nossos quase 10 mil sócios, mais da metade são mineiros. Além disso, grande parte dos eventos nacionais acontecem aqui”, disse.


Criadores de cavalos precisam superar desafios


O representante da Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Pampa, José Carlos Magalhães, frisou que a atividade precisa de mais divulgação e capacitação. “A indústria automobilística está fazendo sua propaganda e captando benefícios federais. Os produtores rurais precisam se empenhar mais, buscar verbas e superar o problema da falta de informação”, defendeu.

O presidente da Comissão Técnica de Equinos da Secretaria de Estado de Agricultura, Renato Ourives Neves, concordou que é preciso colocar o tema em pauta na mídia. “O controle sanitário tem de ser menos empírico e mais científico. Além disso, é preciso desburocratizar e padronizar procedimentos”, afirmou.

O representante da Associação Brasileira dos Criadores de Cavalo Campolina, Alessandro Moreira Procópio, colocou como desafios a realização de pesquisas científicas, a formação de mão de obra, a disseminação de conhecimento e a garantia de sanidade dos animais.


Com informações da ALMG

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.