quinta-feira, 23 de Agosto de 2012 10:09h Gazeta do Oeste

Valorização imobiliária já perdeu força na capital

A valorização imobiliária vista em Belo Horizonte nos últimos anos começa a perder força e a tendência é que os preços se estabilizem na capital. Esse movimento já aparece nos últimos levantamentos de preços. De janeiro a maio deste ano, os imóveis residenciais subiram, em média, 2,64%, bem abaixo da inflação na cidade, que foi de 3,52%, segundo dados da Pesquisa do Mercado Imobiliário realizada pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Administrativas e Contábeis (Ipead/UFMG). No ano passado, os imóveis ficaram 13,57% mais caros, índice muito superior aos 7,22% de inflação registrados no mesmo período.

 

 

O diretor da área imobiliária do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-MG), Bráulio Franco Garcia, diz que os fatores que levaram à supervalorização dos imóveis nos últimos anos estão se estabilizando. "O mercado como um todo está se acomodando", diz. Ele se refere aos preços dos terrenos, que subiram até 400% desde 2007, aos insumos e à falta de mão-de-obra.

 

Ele ressalta, porém, que não haverá queda no valor dos imóveis, porque os preços de custo continuam altos. O proprietário da imobiliária Atractive Imóveis, ligada à rede Invista, Márcio Zauli, também diz que a tendência é de estabilização nos preços, mas afirma que o comprador já pode conseguir imóveis por valores menores do que os que eram cobrados até alguns meses atrás. "Os imóveis que estavam com preço fictício, contando que a valorização ia continuar, vão ter que cortar essa gordura", diz.

 

 

Na avaliação dele, essa estabilização é boa para o mercado, já que dá mais "naturalidade" aos negócios. Com o cenário de preços disparando, o vendedor tinha sempre a sensação de que poderia esperar um pouco mais para conseguir um preço melhor no imóvel, enquanto o comprador, muitas vezes, pagava um preço acima do que considerava justo com medo de esperar e o valor subir mais ainda.

 

 

 

 

 

 

O TEMPO

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.