quinta-feira, 22 de Setembro de 2016 16:03h JOTHA LEE

“A gente vê a olho nu a ineficiência da prestação de serviços pelo município”

Aos 58 anos, completados no dia 3 de julho, Luiz Gonzaga Militão, vai disputar seu primeiro cargo eletivo

Aos 58 anos, completados no dia 3 de julho, Luiz Gonzaga Militão, vai disputar seu primeiro cargo eletivo, concorrendo a prefeito pela coligação Por uma Divinópolis Melhor, formada pelos partidos PSDB, ao qual ele é filiado, SD, PP, PTB, DEM, PRTB, PR e PHS, tendo como candidato a vice o empresário Geraldo Barros, filiado ao PR. Casado, pai de Alan, Militão exerceu várias atividades, porém notabilizou-se como radialista, especialmente na comunicação esportiva. Tem propostas claras e objetivas e uma de suas metas é dar eficiência ao serviço publico. “É preciso dar agilidade ao serviço público”, afirma.

QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS PONTOS O SENHOR PRETENDE ATACAR NO INÍCIO DO SEU GOVERNO?

De cara, o principal ponto a ser atacado é onde existe uma ineficiência na prestação de serviços da prefeitura. Por exemplo, no cadastro, na aprovação de loteamentos e, principalmente, na aprovação de projetos da construção civil. Está muito claro para mim e para o Geraldo Barros, que a principal empregadora hoje em Divinópolis, é a construção civil. E quando não há agilidade na aprovação e na liberação dos projetos para que a construção civil se deslanche, essa indústria está travada. Consequentemente o comércio, o transporte, é muito gente prejudicada. Então é preciso dar agilidade, porque a cidade tem a vocação empreendedora na construção civil. O divinopolitano gosta de construir. Nós temos um déficit habitacional muito grande e a construção civil dá essa resposta. Agora, se a Prefeitura não for a principal parceira, ela está trabalhando contra o fomento econômico do município. Outro ponto a ser atacado é a questão da segurança pública. É claro que os prefeitos das cidades médias estão dizendo nesse momento que segurança pública é um problema do Estado. É. Mas, o Estado já deu provas de que não está querendo resolver esse problema em curto prazo. Só aumentar o efetivo da PM não vai resolver o problema. É preciso de uma organização e aí a parceria entre a Prefeitura e as forças de segurança é fundamental. O prefeito é cobrado pela segurança pública, não é o comandante do 23º Batalhão que as pessoas cobram. Então o prefeito deve ser parceiro das forças de segurança e a gente vai fazer isso. O mesmo esforço que foi feito na atual administração para a implantação do Olho Vivo e que inibiu o crime no Centro, mas os criminosos foram agir nos bairros, é preciso que ele seja feito nos corredores de entrada e saída da cidade e é nosso plano fazer isso. E a criação da Guarda Municipal. E aí é um desenho envolvendo as Polícias Militar e Civil, para que tenhamos a guarda municipal guardando o patrimônio público, com presença no Centro da cidade, liberando a polícia para fazer, de fato, o policiamento coibitivo, preventivo, percorrendo a cidade. Precisamos e vamos atacar com seriedade a questão do desemprego, com a atração de novos investimentos, porque Divinópolis tem espaço e vocação para isso. Paralelamente, fortalecer as empresas da própria cidade, eliminando dificuldades muitas vezes criadas pelo próprio poder público.

O SENHOR FALA EM MELHORAR A EFICIÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO. UM RECENTE LEVANTAMENTO DO INSTITUTO DATAFOLHA COLOCA DIVINÓPOLIS NUMA SITUAÇÃO INCÔMODA COM RELAÇÃO À EFICIÊNCIA NA APLICAÇÃO DE RECURSOS EM SAÚDE, EDUCAÇÃO E OUTROS SERVIÇOS. O SENHOR CONCORDA COM ESSA AVALIAÇÃO?

Eu tiraria a educação disso aí. Em educação a gente vem sendo até premiado em nível nacional. Mas tem muita coisa a ser feita, como reforma e construção de escolas, ajustes na segurança, mas de modo geral nossa educação vai muito bem. Agora, na questão da saúde, realmente é necessária uma revisão para que a prestação de serviços lá na ponta seja melhor. Eu diria até que as Estratégias de Família, os antigos PSFs, têm uma boa prestação de serviços, mas os postos de saúde, no modelo antigo, aonde tivemos recentes incidentes de violência, precisam ser mudados, com um atendimento mais pronto, mais imediato e, consequentemente, o encaminhamento, em caso de especialidades.

O SENHOR CONCORDA COM ESSE ÍNDICE DE EFICIÊNCIA, QUE COLOCOU DIVINÓPOLIS EM 22º LUGAR NA

REGIÃO, 283º EM MINAS E 1.722º NO PAÍS?

Olha, isso foi medido. A gente tem que concordar do mesmo jeito que a gente também concorda que, na soma de tudo, especialmente nos serviços sociais, em outra medição, a cidade ficou na 35ª colocação. Agora, na eficiência da prestação de serviços, a gente vê a olho nu essa ineficiência. A demora existe para as pessoas retirarem um documento na prefeitura pós-protocolo. Na saúde, a falta de leitos causa essa ineficiência. Como somente o São João de Deus, ainda que precariamente, seja o único hospital da cidade a atender pelo SUS, a UPA passa a fazer um papel que não é dela e não consegue. Aí vem uma ineficiência de serviço que só será resolvida com o funcionamento do Hospital Público Regional, o que depende da União e do Estado e nossa ideia é colocá-lo em funcionamento como hospital-escola e com 250 leitos disponíveis, vai melhorar a eficiência do serviço na Unidade de Pronto Atendimento.

DIVINÓPOLIS NÃO TEM CONSEGUIDO ATRAIR NOVAS EMPRESAS E AS QUE ESTÃO NA CIDADE ESTÃO SENDO ASSEDIADAS POR OUTROS MUNICÍPIOS. COMO ENFRENTAR ESSA SITUAÇÃO?

Se a gente agilizar, facilitar, a permanência das que estão aqui e eliminar as dificuldades que são criadas para essas empresas, é claro que elas vão permanecer aqui. Estão instalados, têm mão de obra, mas segurar essas empresas depende principalmente da agilização dos serviços prestados e de tudo aquilo que elas precisam para ficar aqui. Às vezes é uma extensão territorial para aumentar a produtividade e, consequentemente, mais emprego e mais renda para o município. Agora, se for dificultando, é natural que os municípios vizinhos façam esse assédio, agindo naquilo que podemos chamar de vulnerabilidade da administração.

O SENHOR CONCORDA COM OS DOIS ANOS A MAIS DADOS PELO PREFEITO À COPASA PARA A CONCLUSÃO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DO RIO ITAPECERICA?

O atual prefeito acionou a Copasa na Arsae e o Ministério Público entrou nisso. E foi proposto ao município pelo Ministério Público que a Copasa tivesse um prazo a mais para executar a obra. Entre o rompimento agora e dar esse prazo, até porque se fosse outra empresa também teria esse prazo, foi acordado que a Copasa teria esses dois anos a mais desde que ela começasse a obra da ETE do Itapecerica em setembro, o que efetivamente aconteceu. Nós vamos caminhar, sim, ao lado da Copasa, mas cobrando que ela cumpra o contrato com o município dentro dos prazos, porque o povo de Divinópolis está cansado de pagar e ver as coisas sendo proteladas. Se a Copasa não tiver essa ação de parceria, cumprindo os prazos contratuais, aí sim, vamos partir para o rompimento e fazer uma nova licitação. Até porque as cidades mineiras que fizeram isso, não se arrependeram.

NO SEU PROGRAMA ELEITORAL, O SENHOR USA O SLOGAN “MUDAR PARA MELHOR”. QUAIS SÃO ESSAS MUDANÇAS?

A primeira delas é o governo itinerante, que é levar o governo para uma região da cidade. Nós pretendemos dividir Divinópolis em seis macrorregiões, sendo quatro urbanas e duas rurais. Seria a Região Sul, da comunidade de Buritis, e a Região Norte, que é a de Ermida, e quatro regiões urbanas. Estaríamos a cada dois meses deslocando o governo para essas regiões e além de buscar as prioridades regionais, a gente também vai levar o que a prefeitura tem de serviços que muitas vezes a população não conhece. A gente vai levar esses serviços e colher as demandas e estabelecer as principais necessidades regionais. Agora, talvez a principal mudança, seja essa mudança no jeito de administrar com essa agilidade, naquilo que é facilitar o empreendedorismo em nossa cidade. E o resto é mudança de pessoas, de pensamento. Nós temos que mudar nosso jeito de pensar e agir na política. O que o povo veio às ruas pedir em 2013, foi uma política diferente dessa tradicional que nós temos. O povo quer o comprometimento e a austeridade do homem público e isso nós queremos fazer na nossa administração.

A PREVISÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA O ANO QUE VEM É DE INVESTIMENTOS DA ORDEM DE R$ 19 MILHÕES, CONTRA MAIS DE R$ 150 MILHÕES PREVISTOS PARA ESSE ANO. É POSSÍVEL INVESTIR COM APENAS R$ 19 MILHÕES?

Eu diria que a gente tem que fazer um esforço e ser criativo. Eu diria que fazer dinheiro para fazer o que nós queremos, é uma questão de inteligência. O enxugamento ajuda, mas não é tudo. É importante salientar que a atual administração tem 161 cargos comissionados nomeados, mas ela chegou a ter 220. Mas o governo anterior, que foi o governo do Demetrius, teve 320. Também é importante lembrar que a atual administração ficou estrangulada, tendo que pagar mais de R$ 15 milhões de dívidas de precatórios, 90% delas originadas do governo Galileu. Elas foram julgadas e caíram no governo Demetrius, ele recorreu, caiu em segunda instância no primeiro governo Vladimir, ele recorreu, e na terceira instância, já no segundo mandato, ele teve que parcelar e pagar. Além disso, mais de R$ 9 milhões de repasses para o Diviprev que não foram feitos, também 90% do governo Galileu. Essa dívida ficará bem menor para o próximo prefeito e aí nós teremos condições de fazer o que essa administração não fez, por causa do rombo herdado do passado. Temos também que rever a planilha do IPTU, sem aumentar um centavo no valor do imposto. A população sabe que é justo e entende isso e é, também, uma forma de aumentar a arrecadação do município, aumentando sua capacidade de investimento.

QUAL A AVALIAÇÃO O SENHOR FAZ DA ATUAL ADMINISTRAÇÃO?

Foi muito prejudicada por essa questão das dívidas e, no segundo mandato, em função de uma coligação enorme, que envolveu todos os deputados, ficou engessada, dificultando muito e dificulta até hoje, porque o governo ficou uma colcha de retalhos. Mas a atual administração fez muita coisa, como por exemplo a implantação da onda verdade, a abertura e asfaltamento da Rua Jesus Jota, todo o recapeamento da Rua Bom Sucesso, pavimentação em vários bairros, abertura de várias ruas, enfim, tem muita coisa boa. Tem o Hospital Público, a maior obra física de Divinópolis, faltando somente 10% para ser concluído e colocar para funcionar é uma engenharia que já está sendo ensaiada com os Ministérios da Educação e da Saúde para ser o Hospital Escola. Tem muita coisa boa, mas também ficou muita coisa que não poderia ter ficado. É uma administração que ficou emperrada, em função de uma coligação que tornou Divinópolis quase ingovernável.

QUAL A MENSAGEM O SENHOR DEIXA PARA O POVO DE DIVINÓPOLIS?

Estamos aí a menos de 15 dias da eleição. Que o povo nos dê o voto de confiança como o fato novo, que quer mudar a forma de pensar a política, de agir na política e de administrar a cidade. Vamos avançar naquilo que é preciso avançar e mudar radicalmente aquilo que precisa ser mudado e, como consequência, melhorar a qualidade de vida das pessoas que vivem na nossa querida Divinópolis.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.