quinta-feira, 25 de Agosto de 2016 13:26h Mariana Gonçalves

Campanha incentiva à doação de sangue e ainda gratifica doadores

Doar sangue é um ato solidário, é com este pensamento e com boa vontade de ajudar o próximo que o tatuador e estudante de Arquitetura e Urbanismo, Wellington Walison da Costa, iniciou em Divinópolis uma campanha de incentivo à doação de sangue – intitulada ‘Antes de marcar sua pele, doe sangue’. A ação funciona da seguinte forma, a pessoa faz a sua doação e apresenta o comprovante da mesma para Wellington. Isso dará ao doador o direito de ter uma sessão de tattoo totalmente gratuita.

Ainda segundo o tatuador, a campanha possui alguns critérios que devem ser observados; Válido para uma única seção de tatuagem (artes pequenas ou médias).
Maiores de 18 anos. Jovens a partir dos 16 apenas com autorização do responsável. (autenticada em cartório). Não será realizada a tatuagem sem a comprovação de doação.

A partir disto, estão ainda as exigências comuns quando o assunto é doação de sangue. Por exemplo, para doar sangue, o candidato deve ter entre 16 e 69 anos, peso acima dos 50kg, estar em condições plenas de saúde, não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 24h e estar alimentado. São retirados aproximadamente 450ml de sangue, em poucos minutos, volume que, além de não fazer falta ao doador, contribui para salvar até quatro vidas.

 

REPERCUSSÃO

 

A ação começou nas redes sociais e já atraiu olhares de muitas pessoas. “O primeiro que participou da campanha nunca tinha doado sangue, ele ficou muito emocionado, chegou até a me agradecer por ter aberto a cabeça dele para essa questão de doação”, conta o tatuador, destacando também a vontade das pessoas em continuarem doando. “Algumas pessoas que fiz a tatuagem já eram doadores, mas outros não, e começaram por causa dessa campanha, as pessoas se conscientizaram e até falam de continuarem doando, falam que é um procedimento simples e gratificante”, afirma.

A campanha repercutiu até mesmo fora de Divinópolis, de acordo com Wellington, a ideia chegou até Curitiba e no Rio de Janeiro. “Um amigo meu que trabalha aqui em Divinópolis me pediu para copiar a campanha e também está fazendo em seu ateliê, ele compartilhou a minha publicação, como ele estudou em Curitiba, o pessoal de lá viu na página dele o compartilhamento da ação e já tem pessoas lá fazendo também”, contou.

 

PELO PRÓXIMO

 

Para Wellington, o processo de doação ainda é visto com dificuldade, ações como essa desenvolvida por ele são importantes para que as pessoas, de forma geral, sejam mais conscientes do quão importante é doar. “Estou recebendo um público que nem imagina, pessoas que nunca tinham doado, fiz essa campanha sem pensar na questão financeira e nem publicitária, foi muito bom poder abrir a mente das pessoas”, acrescentou.

A campanha foi motivada por dois pensamentos, segundo contou o tatuador. “Quando você faz tatuagem você só pode doar sangue depois que ela completa um ano, então me senti com a consciência um pouco pesada por tatuar as pessoas, daí resolvi fazer a campanha, porque assim as pessoas vão lá e já deixam a sua doação. Além disso, a mãe de uma amiga precisou de 30 doadores, e não tinha esse número de pessoas”, completa.

 

HEMOMINAS

 

Em contato com a equipe da Fundação Hemominas de Divinópolis, de forma informal, fomos informados que a fundação presta apoio a todas as campanhas de doação, desde que as mesmas sempre prezem pelo ato voluntariado. A doação não deve vir por uma ‘troca’, segundo o Hemominas, o ato de doar sangue é voluntário, devendo ocorrer de forma natural.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.