sábado, 10 de Setembro de 2016 11:00h Atualizado em 10 de Setembro de 2016 às 08:51h. Jotha Lee

Definido o número oficial de candidatos a vereador em Divinópolis

Cada cadeira na Câmara será disputada por mais de 18 candidatos

Passado o período de jul­gamento de candidaturas e com a desistência de alguns candidatos indeferidos de recorrer da decisão, agora é oficial o número de con­correntes à uma cadeira na Câmara Municipal de Divi­nópolis. Dos 319 candidatos que apresentaram pedido de registro, três foram indeferidos e cinco renunciaram. Oficial­mente 311 candidatos estão aptos a disputar uma vaga na Câmara, o que dá uma média de 18,29 concorrentes por

cadeira.

Foram indeferidos Bruno Pereira de Oliveira (PROS), Geraldo Luís (PSOL) e Tânia Duarte (PSOL). Ficarão de fora da disputa por pedido de renúncia Adriana Ferreira (PSOL), Cleiberte Rodrigues (PSDC), Márcio de Sousa (PHS), Marcone Pereira (PSD) e Mirtis Gonçalves (PSOL). O número de candidatos a vereador esse ano está abaixo das eleições de 2012, quando 366 concorrentes disputaram uma vaga na Câmara Mu­nicipal, média de 21,52 por

cadeira.

Já o número de candidatos a prefeito, ainda está indefi­nido. Por enquanto, somente três concorrentes estão com participação assegurada, já que suas candidaturas foram deferidas pela Justiça. Cinco candidatos apresentaram pe­dido de registro. O candidato do PSOL, Jorge Torquato, já está definitivamente fora da eleição, já que teve sua can­didatura indeferida com base na Lei da Ficha Limpa. Ele desistiu de recursar e preferiu apresentar o pedido de re­núncia, que já foi acatado pela Justiça Eleitoral.

Já o candidato do PMDB, o ex-prefeito Galileu Teixeira Machado, aguarda o julga­mento do recurso impetrado em segunda instância. Gali­leu teve o pedido de registro indeferido pelo Juiz Marcelo Paulo Salgado, da 103ª Zona Eleitoral, com base na Lei da Ficha Limpa. O indeferimento foi com base com base em uma condenação por crime de responsabilidade proferida pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). O ex­-prefeito foi denunciado pelo Ministério Público do Estado (MPE) em 2007 e em 2012 foi publicada a sentença já tran­sitada em julgado, com pena de dois anos e meio de prisão. A execução da pena não foi efetivada pela ocorrência da prescrição. Com base nessa condenação, o juiz indeferiu o registro de Galileu Macha­do com base na Lei da Ficha Limpa. O candidato recorreu e aguarda o julgamento do recurso.

PSOL

O empresário Jorge Tor­quato, que pretendia disputar a sucessão de Vladimir Azeve­do (PSDB) pelo PSOL, teve seu pedido de registro indeferido no dia 2 de setembro pelo juiz José Antônio Maciel, da 102ª Zona Eleitoral. O inde­ferimento foi motivado por uma condenação em 2010, em razão de doação irregular para sua campanha naquele ano para deputado estadual. Com base nessa condenação, Torquato foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa. No dia 6, ele protocolou o pedido de re­núncia, que já foi homologado pela Justiça.

O candidato a vice-prefeito na chapa de Torquato, o pe­dreiro Mário Oliveira, tam­bém apresentou o pedido de renúncia, que também já foi homologado pela Justiça Elei­toral. Mário Pedreiro renun­ciou já que seu nome é cotado par substituir Jorge Torquato na candidatura a prefeito. O PSOL ainda não apresentou pedido de substituição do candidato, o que deverá fazer até a próxima quarta-feira.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.