quarta-feira, 14 de Setembro de 2016 14:51h Pollyanna Martins

Fundação Ezequiel Dias traz exposição para Divinópolis

A exposição de animais peçonhentos começou ontem (13), e ficará até amanhã no Parque da Ilha

A Fundação Ezequiel Dias (Funed) trouxe para Divinópolis a exposição do Programa Ciência em Movimento. Com o objetivo de difundir e popularizar a ciência por todo o estado, o caminhão traz conhecimento científico e tecnológico, através de linguagem lúdica e popular, estabelecendo uma relação de diálogo entre os pesquisadores e a sociedade e entre ciência, saúde e cultura por onde passa. Conforme a bióloga da Fundação, Danielle Carneiro, o intuito do programa é mostrar para a comunidade, ensinar como identificar animais peçonhentos de animais não peçonhentos, além de ensinar as formas de prevenção de acidentes com esses animais. “Nós vamos explicar o que usar, o que fazer, como se proteger em casos de acidentes. Os visitantes vão conhecer também as principais espécies de animais peçonhentos que nós temos em Minas Gerais e aqui em Divinópolis. O nosso objetivo é que os visitantes conheçam e se previnam”, explica.

A exposição, que começou ontem (13) e termina amanhã, está no Parque da Ilha das 8 às 17h. Este ano, a exposição já passou por Itaobim, Coronel Murta, Montes Claros, Espera Feliz, Chapada Gaúcha, Florestal, Boa Esperança, São Bento do Abade e Caetanópolis, e pela primeira vez vem a Divinópolis. De acordo com Danielle, o número de acidentes com animais peçonhentos é alto em Minas Gerais, principalmente envolvendo o escorpião amarelo. A bióloga ressalta que algumas medidas fáceis de realizar podem evitar estes acidentes, porém a população não tem conhecimento. Para demonstrar os perigos dos animais peçonhentos, e explicar melhor a anatomia de cada um, várias réplicas de cobras, aranhas e escorpiões empalhados ficarão expostas para o público. “Tem aranha caranguejeira, aranha armadeira, aranha marro, algumas espécies de serpentes, como jararaca, cascavel, coral falsa e verdadeira, e escorpiões em exposição”, informa.

Durante a exposição, o público receberá informações sobre o processo de produção do soro antiofídico – medicamento para tratar mordidas de cobras venenosas. “A gente mantém esses animais em cativeiro para tirar o veneno deles e produzir o soro antiofídico, que é a Funed que produz”, esclarece. O programa, que foi criado em 2012 pela Funed, trouxe ainda uma exposição de abelhas, que explica quais são as espécies existentes no Brasil, esclarece ainda sobre o pólen e o mel. “Tem a parte de abelhas, os agentes de saúde do município, que também estão trabalhando com a gente. Temos também os jogos interativos para as crianças, tudo ligado nessa parte de animais peçonhentos”,
informa.

 

PROGRAMA

 

O Programa também oferece oficina de reciclagem, jogos interativos e Cine Saúde, com exibição de vídeos relacionados aos temas expostos. Conforme o articulador do programa, Sidney do Carmo, o programa tem como finalidade popularizar a ciência com ênfase nas pesquisas que a Fundação desenvolve com as toxinas dos animais. Sidney explica que o vídeo exibido durante a exposição mostra o trabalho desenvolvido na Funed e reforça como é feita a produção do soro antiofídico. “O vídeo mostra o processo de extração de veneno e também é uma apresentação do programa, destacando os serviços que são expostos na parte externa do caminhão”, enfatiza.

Segundo o articulador do programa, após o vídeo, são dadas dicas de prevenção de acidentes com animais peçonhentos. Sidney destaca ainda que os jogos interativos reforçam tudo o que foi explicado na exposição. “Os temas são repetidos com os jogos, que estão expostos aqui. Então, as crianças podem aprender brincando todo o tema exposto”, finaliza.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.